“Dicionário do Crioulo de Macau” foi hoje apresentado

Um investigador português, Raul Leal Gaião, lançou esta quarta-feira um dicionário de patuá, crioulo que está “gravemente ameaçado de extinção”, de acordo com a Organização da ONU para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO).

“O principal objectivo é dar, pelo menos, a conhecer, a revisitar e a tentar descobrir o crioulo, nomeadamente à comunidade macaense, já que neste momento praticamente ninguém [o] fala”, sublinhou Leal Gaião em declarações à agência Lusa.

O dicionário é feito a partir de um levantamento dos escritos de José dos Santos Ferreira, mais conhecido por “Adé”, poeta e dramaturgo que nasceu há um século e escreveu a grande maioria das suas obras em patuá: “Chamei-lhe dicionário porque, de facto, tem normalmente exemplos ou abonações retirados desses textos e funciona exactamente como dicionário”, explicou o investigador. Raul Leal Gaião destacou ter utilizado ainda estudos anteriores, glossários, aos quais faz “referências constantes”.

Raul Leal Gaião assegurou que a investigação traz algumas novidades e deu como exemplo o termo, ‘catchi bachi’, vocábulo do qual os estudiosos não conseguiam detectar a origem: “Significa uma coisa que já não presta e que não tem utilidade (…). É um termo espanhol, [nome de] uma terra de fronteira que fazia muito contrabando com Espanha”, referiu Leal Gaidão, adiantando a hipótese de ter chegado a Macau a partir das Filipinas.

Há quase uma década, a UNESCO classificou o ‘patuá’ como língua “gravemente ameaçada”, o último patamar antes de uma língua se extinguir por completo.

De acordo com a linguista de Singapura Nala H. Lee, em declarações prestadas à agência Lusa no final de 2018, actualmente menos de 50 pessoas sabem falar ‘patuá’, usado apenas em “domínios específicos, como em cerimónias, músicas, orações ou em actividades domésticas”.

Na mesma altura, o advogado Miguel de Senna Fernandes –  responsável há 25 anos pelo grupo de teatro Dóci Papiaçám di Macau, que se tem assumido como um veículo para a preservação do patuá – frisou que a situação em Macau difere em muito de Malaca e de Korlai, onde a comunidade lusodescendente “ainda faz muitos esforços” para manter os crioulos de influência portuguesa.

Raul Leal Gaião é licenciado em Filosofia pela Universidade de Lisboa, e em Ciências Literárias pela Universidade Nova de Lisboa. O investigador é ainda mestre em Língua Portuguesa e Estudos Linguísticos pela Universidade de Macau. Investigador nas áreas da Lexicologia, Dialectologia e Crioulística, colaborou na redação do ‘Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa’ e do ‘Dicionário Global da Língua Portuguesa’.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.