Caraíbas. Descoberta serpente com a espessura de um esparguete

Foi baptizada com o nome de “Leptotyphlops Carlae”, tem apenas dez centímetros de comprimento, a espessura de um fio de esparguete e é a serpente mais pequena entre as 3100 espécies que se conhecem actualmente. Descoberta em 2006, o pequeno réptil só recentemente foi identificado como uma espécie inteiramente nova.

Uma equipa de cientistas identificou a serpente mais pequena do mundo na ilha caribenha de Barbados. O réptil, com apenas dez centímetros de comprimento e da espessura de um fio de esparguete, foi descoberta há mais de uma década debaixo de uma pedra, mas os investigadores só agora – ao fim de treze anos de estudos – concluíram que se trata de uma nova espécie. 

Baptizada com o nome de “Leptotyphlops carlae”, a serpente é mais pequena que qualquer outra das 3100 espécies identificadas pela ciência até ao momento, de acordo com Blair Hedges, biólogo da Universidade do Estado de Pensilvânia. Hedges fez parte das equipas de investigação que identificaram a rã e o lagarto mais pequenos do mundo.

A “Leptotyphlops carlae” é uma das 300 espécies conhecidas do réptil conhecido popularmente em Portugal por “bicho-cego”. O animal tem um tom de pele cinzento escuro, rasgado por duas linhas amarelas, descreveu Hedges. O biólogo da Universidade do Estado de Pensilvânia diz que o animal foi classificado como uma nova espécie devido às diferenças genéticas que apresenta com outras espécies de serpente, bem como ao padrão de cores e à disposição das suas escamas.

O pequeno animal não é venenoso, come térmitas e larvas de térmitas, mas ainda se conhece muito pouco sobre o seu comportamento; os cientistas não sabem sequer se a “letpotyphlops carlae” é um animal com hábitos nocturnos ou diurnos.

A pequena serpente foi descoberta em 2006, numa floresta da parte leste da ilha de Barbados: “Estava debaixo de uma rocha. Conseguimos recolher dois espécimes”, disse Hedges, em declarações via telefónica à agência Reuters. “É extremamente delegada. Tem a espessura de um fio de esparguete”, complementa o investigador.

A serpente é cinco milímetros mais curta que outras espécies identificadas na ilha de Martinica, também nas Caraíbas: “Quando se é assim tão pequeno, cada milímetro contra”, explica o académico da Universidade do Estado de Pensilvânia. O anúncio da descoberta da nova espécie foi publicado recentemente na revista científica Zootaxa. 

Tanto os animais mais grandes como os animais mais pequenos tendem a encontrar-se em ilhas, onde o mais das vezes ocupam espaços ecológicos em habitats onde não têm que competir com outras criaturas. A serpente mais larga do mundo é a pitón reticulada, espécie que chega a medir 10 metros e vive no Sudeste Asiático.

As serpentes são dos poucas espécies actualmente existentes que partilharam o habitat com os dinossauros. O fóssil de serpente mais antigo de que há conhecimento data de há cerca de cem milhões de anos. As primeiras serpentes – que terão evoluído a partir de espécies já desaparecidas de lagartos – tinham membros diminutos.

Hedges acredita que a “Leptotyphlops  carlae” pode apresentar o tamanho mínimo possível para uma serpente. A espécie põe um único ovo, com um tamanho desmesurado em relação à dimensão do corpo do animal e que ocupa uma grande parte do corpo do animal durante o período reprodutivo.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.