De Hong Kong aos Açores, milhares de jovens em greve pela saúde do planeta

A Região Administrativa Especial de Hong Kong foi um dos territórios que acolheu, esta tarde, uma das centenas de marchas que se realizaram pelo mundo fora no âmbito da iniciativa “Sextas-feiras pelo Futuro”. Centenas de milhares de alunos de todo o mundo, desde a Suécia ao Uganda, saíram durante o dia de hoje  à rua para se juntarem ao movimento mundial “Greve Pelo Clima” em protesto contra a inação dos governos no combate ao aquecimento global.

Inspirados pela jovem activista Greta Thunberg, que há um ano iniciou um protesto em frente ao parlamento sueco, jovens de 112 países protestaram esta sexta-feira nos seus respectivos países em defesa da saúde do planeta.

“112 países!”, escreveu na rede social Twitter a jovem sueca, adiantando que as ações desta sexta-feira decorreram em mais de mil locais.

A iniciativa, que começou de forma solitária em frente ao parlamento sueco, foi ganhando adeptos até chegar a todos os cantos do mundo, incluindo Portugal que esta sexta-feira aderiu ao movimento com acções marcadas para 26 cidades, como Lisboa, Porto, Coimbra, Aveiro, Covilhã, Évora e Faro, bem como nos arquipélagos da Madeira e dos Açores.

Desde a Finlândia ao Quénia ou de Hong Kong a Nova Deli, não faltam exemplos de jovens de diferentes culturas que se uniram pela mesma causa, de acordo com os relatos das agências internacionais.

Milhares de jovens suecos saíram à rua para exigir acções do Governo, com destaque para Estocolmo onde se registou o maior protesto do país.

Também em Itália, França e Alemanha, milhares de estudantes faltaram hoje às aulas. Em Berlim, por exemplo, contaram-se mais de dez mil manifestantes nas ruas.

Centenas de milhares de jovens italianos participaram nos mais de 280 eventos organizados em todo o país, com destaque para Roma e Milão. Na capital italiana foram contabilizadas cerca de dez mil pessoas e em Milão mais de cem mil.

Em Paris, além da manifestação e desfile, dezenas de jovens bloquearam esta  manhã a entrada da sede de um banco, o Société Générale, denunciando que o seu financiamento era prejudicial à defesa do planeta.

Também em Madrid, centenas de estudantes reuniram-se nas Puertas del Sol, para exigir políticas que lutem contra as mudanças climáticas.

Em Viena, mais de 10.000 estudantes juntaram-se à iniciativa global #Fridaysforfuture que se repetiu um pouco por todo o país. Milhares de manifestantes nas marchas realizadas em cidades austríacas como Bregenz, Graz ou Innsbruck são o balanço da manhã de protestos.

Também na Suíça há relatos de milhares de jovens que responderam à convocatória mundial participando nas acções organizadas nas suas terras.

Em Lausana, por exemplo, mais de mil alunos saíram à rua e em Neuchatel a mobilização chegou a cerca de duas mil pessoas.

Na Índia – país que tem algumas das cidades mais poluídas do planeta – estudantes de várias zonas também fizeram questão de se fazer ouvir.

O assunto também mobilizou jovens do Japão, Austrália, Hong Kong e Uganda, onde muitos estudantes participaram nos protestos para chamar a atenção para o aumento repentino de deslizamentos de terra e enchentes no seu país.

A luta por um mundo melhor também se fez hoje outros países africanos, como o Quénia e a África do Sul. Em Nairobi (Quénia), cerca de uma centena de jovens manifestou-se no bosque de Karura, um dos pulmões da capital e o último bosque indígena dentro de uma cidade: “Quero que entrem em pânico. Quero que sintam o medo que eu sinto todos os dias”, foi uma das declarações marcantes da jovem sueca de 16 anos, que foi recentemente nomeada para o Prémio Nobel da Paz, durante o discurso dirigido aos líderes do Fórum Económico Mundial, que se realiza anualmente na Suíça.

Alguns políticos criticaram os estudantes, defendendo que deveriam gastar o seu tempo na escola e não nas ruas, por considerarem que se trata de um assunto para especialistas.

No entanto, os cientistas apoiaram os protestos estudantis, com centenas de assinaturas em petições lançadas por estudantes ingleses, finlandeses e alemães.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.