Centenas na rua contra reconhecimento de cartas de condução chinesas

O mau tempo que se abateu este sábado sobre o território não demoveu centenas de manifestantes de saírem à rua no território contra o reconhecimento das cartas de condução emitidas pelas autoridades da República Popular da China, por se sentirem inseguros com a “cultura de condução dos chineses do Continente”.

“Muitos cidadãos locais estão preocupados com a cultura de condução e especialmente com a falta de consistência de segurança dos chineses do Continente”, disse à agência Lusa o deputado pró-democracia Sulu Sou, que integra os quadros da associação Novo Macau, organizadora da manifestação.

O deputado pró-democrata – o único membro da Assembleia Legislativa a ser condenado por desobediência qualificada devido a um protesto realizado em 2016 – ressalvou, contudo, que “Macau reconhece mais de uma centena de cartas de condução de outros países”, mas que “esta situação afecta toda a sociedade”. O território tem actualmente mais de 230 mil veículos motorizados em circulação.

Os dados mais recentes dão conta que, no terceiro trimestre de 2018, havia 43.928 pessoas com dois ou mais veículos, numa população de cerca de 670 mil pessoas: “Não acho que todos os condutores da China continental sejam maus condutores”, disse Sulu Sou. O deputado acrescentou que “as pessoas estão preocupadas e zangadas”, sublinhou no começo do protesto no jardim Vasco da Gama.

No ano passado, o secretário para os Transportes e Obras Públicas, Raimundo do Rosário, assinou uma ordem executiva que permite aos portadores de carta de condução da República Popular da China conduzirem em Macau, uma decisão que gerou a contestação de alguns deputados.

Sulu Sou defendeu, por estas razões, que Governo deve realizar uma consulta pública sobre o reconhecimento mútuo das cartas de condução com a China.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.