Facebook volta a ser investigado, desta feita pelo Estado de Nova Iorque

A entidade reguladora do estado de Nova Iorque está a investigar a recolha de dados pessoais – alguns de natureza última – dos utilizadores do Facebook, como os ciclos menstruais e o peso corporal, através de aplicativos para smartphones.

A empresa liderada por Mark Zuckerberg confirmou que recebeu uma carta do Departamento de Serviços Financeiros do Estado de Nova York para obter informações sobre a recolha deste tipo de dados.

O regulador, que se tornou conhecido por tomar medidas enérgicas contra os grandes bancos, exigiu que o Facebook entregasse os nomes de todas as companhias que forneceram informações sobre os seus aplicativos nos últimos três anos, de acordo com a fonte.

Outras solicitações foram enviadas a quem desenvolve as aplicações, com o propósito de obterem informações sobre os contratos que mantêm com o Facebook.

Uma notícia publicada pelo jornal Wall Street Journal a 22 de Fevereiro revelou que dados de natureza íntima, como a informação relativa ao período ou ao peso, podiam ser compartilhados com o Facebook através de pelo menos 11 aplicativos, através de uma ferramenta criada para ajudar os destinatários dos anúncios. A informação poderia ser recolhida, mesmo que os utilizadores dos smartphones e das aplicações em questão não fossem membros do Facebook.

A informação recolhida pelos aplicativos incluía dados pessoais sobre o peso corporal, o estado da gravidez, a ovulação e as compras para casa, de acordo com o Wall Street Journal. A rede social indicou que está a analisar o pedido feito pela entidade reguladora do Estado de Nova Iorque:  “É comum que quem desenvolve  este tipo de aplicações partilhe informações com uma ampla gama de plataformas para publicidade e análise”, disse um porta-voz do Facebook.

“Exigimos a quem desenvolve este tipo de aplicativos que deixem claro junto dos utilizadores que tipo de informação compartilham connosco. Já proibimos, no entanto, o envio de dados confidenciais e também tomamos medidas para detectar e eliminar os dados que não devem ser compartilhados connosco”.

A investigação da entidade reguladora do estado de Nova Iorque ocorre numa altura em que a privacidade on-line volta a ser alvo de um intenso debate. Grupos de interesse testemunharam esta semana em audiências no Capitólio sobre a necessidade de soluções para fortalecer a protecção dos dados pessoais, após vários escândalos de alto nível que envolvem o Facebook e outros gigantes da área das telecomunicações.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.