Cientistas norte-americanos inventam sensores sem fios para bebés em incubadora

É das experiências mais aflitivas pelas quais um pai pode passar, mas o cenário poderá estar prestes a mudar. Os pais cujos bebés prematuros passaram por uma unidade de cuidados intensivos recordar-se-ão dos incómodos sensores colados ao frágil organismo das crianças, com o propósito de tomar o pulso aos seus sinais vitais.

Uma equipa norte-americana composta por investigadores norte-americanos criou novos sensores de silicone que prometem revolucionar o acompanhamento de bebés prematuros. Finos como papel e flexíveis, os novos sensores são revolucionários desde logo porque não têm fios. A inovação permite que os pais peguem nos filhos sem dificuldade, um gesto que é considerado por muitos clínicos como fundamental para a saúde do bebé.

Os criadores dos novos dispositivos apresentaram a invenção na edição desta sexta-feira da revista norte-americana Science. No lugar dos cinco electrodos que costumam ser colados à pele do bebé com o propósito de monitorizar as batidas cardíacas, a respiração, a oxigenação do seu sangue e a sua temperatura, os investigadores conceberam dois sensores de cinco e dois centímetros de comprimento, um para ser colocar no peito e outro para ser colocado no pé dos pequenos pacientes.

Os dispositivos não têm bateria e são aplicados nos bebés através do recurso a um gel adesivo mais leve, fabricado à base de água. Os dados são transmitidos através de uma antena minúscula e recebidos por um receptor situado sob a incubadora.

Os sensores que são utilizados nas incubadoras não mudaram desde os anos 1960, diz John Rogers, director do centro de electrónica bio-integrada da Universidade Northwestern, dos Estados Unidos da América.

Em 2016, uma equipa por ele liderada e especializada na integração de componentes electrónicos no corpo humano começou a trabalhar com pediatras do serviço de neonatologia do hospital infantil Lurie de Chicago: “Os bebés prematuros são frágeis, requerem uma vigilância permanente e a sua pele está sub-desenvolvida, é muito sensível e sofre danos muito facilmente”, afirma Rogers.

A equipa comparou a qualidade dos dados transmitidos através de tecnologia sem fios com a informação enviada através de cabos em mais de 80 bebés por dia.

Os investigadores chegaram à conclusão de que a tecnologia que desenvolveram é tão precisa como a antiga. Para que o produto chegue aos hospitais falta conseguir a autorização das autoridades sanitárias americanas, o que não deverá acontecer antes de 2020, de acordo com Rogers.

A equipe que inventou os novos dispositivos continua a efectuar ensaios em Chicago. Os dispositivos serão distribuídos na Zâmbia através de um programa piloto a partir de Abril. A nova tecnologia deverá depois chegar à Índia e ao Paquistão, através da Fundação Gates e da organização Save the Children, anunciou Rogers.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.