Huawei responde à Samsung e (também) apresenta telemóvel desdobrável

O Mate X foi este domingo apresentado em Barcelona, antes ainda do Mobile World Congress ter arrancado. Durante o evento, a gigante tecnológica chinesa deve tirar o véu aos avanços que desenvolveu em termos de tecnologia 5G.

Depois da Samsung, a Huawei. A gigante tecnológica chinesa não quis ficar atrás da principal concorrente na luta pelo estatuto de maior fabricante mundial de smartphones e este domingo apresentou, em Barcelona, um novo telemóvel com ecrã desdobrável.
A fabricante chinesa não esperou pela abertura do Mobile World Congress – uma das maiores feiras mundiais do sector – e deu ontem a conhecer o Mate X, modelo compatível com as futuras redes 5G com que a Huawei responde ao Galaxy Fold, aparelho com ecrã desdobrável que a líder mundial Samsung apresentou na semana passada em São Francisco.
“Os nossos engenheiros trabalharam na concepção deste ecrã durante mais de três anos”, explicou durante a apresentação do novo modelo um dos responsáveis pela gigante chinesa, Richard Yu.
A nova aposta da Huawei deverá chegar ao mercado ainda este ano e deverá ser transaccionada a um preço equivalente a 2299 euros, um valor superior aos 1745 euros com que o Galaxy Fold chega ao mercado.
“É muito caro”, admitiu Yu. “Mas estamos a trabalhar para reduzir o preço”, admitiu o responsável.
Dobrado, o telefone apresenta uma tela de 16,8 cm na parte da frente. O ecrã é um pouco mais do que o iPhone Xs Max. O aparelho apresenta um segundo ecrã de 16 cm na parte de trás. Desdobrado, dá origem a um ecrã com uma amplitude de 20,3 centímetros.
Em Barcelona, o grupo chinês deverá tirar o véu aos avanços que desenvolveu em termos de tecnologia 5G. A quinta geração de internet móvel deverá proporcionar conectividade quase instantânea tanto para smartphones, como para objectos como carros e robots.
A Huawei tem sido protagonista, ao longo dos últimos meses, de uma intensa troca de acusações entre Washington e Pequim, com as autoridades norte-americanas a acusarem a empresa de colocar os seus equipamentos ao serviço dos interesses da República Popular da China, nomeadamente para propósitos de espionagem.
A Huawei sempre negou as acusações, mas foram vários os países – a Austrália, a Nova Zelândia e o Japão são os casos mais emblemáticos – que proibiram a utilização de equipamentos fabricados pela empresa na edificação das futuras redes 5G.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.