Índia. Sacerdote condenado a 20 anos de prisão por violar adolescente

Um tribunal indiano condenou no sábado um padre católico a 20 anos de prisão, depois de ter dado como provado que o sacerdote violou uma menor de idade, naquele que é o mais recente escândalo sexual envolvendo a Igreja católica no estado de Kerala.

Robin Vadakkumchery foi considerado culpado do estupro de uma aluna de 16 anos. O crime só se tornou conhecido depois da após a vítima ter dado à luz em Fevereiro de 2017.

Citando falta de provas, o tribunal absolveu quatro freiras, um padre e um funcionário do orfanato, acusados de terem tentado encobrir o crime e proteger Vaddakkumchery, um influente membro da Igreja no estado de Kerala.

Depois de uma organização dos direitos da criança ter denunciado o caso à polícia, e de Vadakkumchery ter sido detido num aeroporto canadiano, muitas testemunhas-chave do processo tornaram-se hostis:

“Praticamente todas as testemunhas independentes recusaram-se a cooperar, tornando difícil o trabalho do Ministério Público, de encontrar provas substanciais contra os argumentos alegados pela defesa”, disse à AFP o procurador Sunil Kumar, responsável por investigar o caso.

O próprio pai da vítima afirmou em tribunal que tinha sido ele – e não o sacerdote – a violar a rapariga e a adolescente afirmou durante a audiência a que foi sujeita que a relação tinha sido consensual.

Na Índia, as relações sexuais com menores de 18 anos – sejam elas consensuais ou não – são consideradas violação à luz da lei ﷽﷽﷽﷽﷽﷽﷽﷽s uais ou ns  tinha sido ele o.e a cooperarue o sacerdote violou o encontrado por uma funcionco estrelasn these two grpela à à , dado o rigor que é colocado na protecção de menores. A vítima era estudante de uma escola pertencente à Igreja.

A decisão judicial anunciada no sábado ocorre após uma série de acusações que visam várias figuras de relevo da Igreja Católica em Kerala. Entre os acusados está o Franco Mulakkal, que terá violado uma freira por treze ocasiões durante um período de dois anos. O epíscopo nega as acusações.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.