Guerra comercial. Negociações de Pequim foram “produtivas”, escreve Steven Mnuchin

As negociações destinadas a encontrar uma solução para o diferendo comercial que os Estados Unidos e a República Popular da China mantêm desde o Verão passado foram “produtivas”, assegurou esta sexta-feira o secretário norte-americano do Tesouro, Steven Mnuchin.

Numa breve mensagem publicada nas redes sociais, o governante norte-americano assegurou que o diálogo que manteve com as autoridades chinesas, em Pequim, ao longo dos últimos dois dias foi “produtivo”: “Reuniões produtivas com o vice-Primeiro ministro chinês Liu He”, twitou Steven Mnuchin, ao publicar a “foto de família” que colocou um ponto final na terceira ronda de negociações entre Washington e Pequim.

Concluídos os dois dias de discussão, o secretário norte-americano do tesouro foi recebido pelo presidente da República Popular da China, Xi Jinping, antes de regressar aos Estados Unidos da América. Nem Pequim, nem Washington adiantaram, no entanto, se houve ou não avanços significativos nas negociações comerciais entre as duas principais economias do mundo.
O Executivo liderado por Donald Trump concedeu a Pequim um prazo de 90 dias, até 1 de Março, para que os dois países encontrassem uma forma de superar os diferendos comerciais que mantêm desde o Verão de 2018. Se as negociações falharem, Washington deverá começar a cobrar taxas aduaneiras de até 25 por cento sobre uma série de produtos chineses. O propósito de Washington é o de recolher 200 mil milhões de dólares adicionais em impostos sobre bens “Made in China”.

A agência Bloomberg assegura, no entanto, que há uma outra hipótese sobre a mesa: os Estados Unidos, escreve a agência noticiosa especializada em economia, estariam dispostos a prolongar a trégua por um período de 60 dias.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.