Porto de Díli com funções de recreio e capacidade para receber cruzeiros

O Porto de Díli vai ser alvo de um processo faseado de reabilitação e transformação para, no futuro, acolher iates de recreio e permitir a atracagem de cruzeiros, disse à agência Lusa o responsável da autoridade portuária de Timor-Leste.

“Depois da finalização do Porto de Tibar, daqui a 3 ou 4 anos, teremos uma grande transformação aqui no porto de Díli”, disse à Lusa Constantino Soares, presidente da Autoridade Portuária de Timor-Leste (Aportil).

Em entrevista à Lusa, Soares deu conta de um plano alargado que quer ver aplicado no porto um “novo conceito” assim que as “operações comerciais de importação e exportação sejam transferidas para Tibar”.

Localizado a cerca de 10 quilómetros a oeste de Díli, na baía de Tibar, o novo porto é o maior projecto em modelo de parceria público-privada, tendo o contrato sido atribuído aos franceses da Bolloré, que, por sua vez, subcontrataram grande parte da obra à empresa pública chinesa China Harbour.

Quando as obras estiverem concluídas – o calendário inicial que já sofreu alterações era 2020 – toda a movimentação de contentores que agora se empilham na zona central da capital, passarão para Tibar.

Isso permitirá, explicou, adaptar o Porto de Díli para três categorias de serviço.

Do lado oeste, e já a ser alvo de uma intervenção com apoio do Governo japonês, está a ser construído um novo cais para o tráfego marítimo doméstico.

Para já, essas ligações são feitas para a ilha de Ataúro e para o enclave de Oecusse mas, explicou Constantino Soares, o Governo deve começar ainda este ano os estudos técnicos e hidrográficos para um novo canal marítimo: “Vamos abrir um novo canal marítimo para leste e sul, nomeadamente para Caravela, Com, Loré e Beaço”, explicou, referindo que este ano devem ser concluídos os estudos para reabilitar esses portos.

A parte central do Porto, explicou, “vai ter um novo terminal para cruzeiros” com a restruturação da ponte cais e a sua movimentação “mais 10 ou 15 metros para o mar, para dar profundidade ideal para cruzeiros”.

Díli tem sido nos últimos anos um ponto de paragem para alguns cruzeiros australianos, mas a estrutura do porto impede os navios de atracarem, tendo que ficar ao largo da cidade.

Isso obriga a transportar os passageiros até terra em embarcações mais pequenas, “o que faz aumentar mais o risco”, recordou. Finalmente, na parte leste do porto, o objetivo é “construir uma marina para iates e embarcações privadas”.

Constantino Soares explicou que as mudanças vão ocorrer em duas fases, uma antes e uma depois do fim das obras em Tibar. O responsável da Aportil diz que nas obras é importante não deixar passar a história do porto, com uma reabilitação que recorde a sua história.

Disse, por exemplo, que o Farol de Díli foi construído entre 1881 e 1888, o porto em si entre 1959 a 1963, foi alvo de ajustamentos ainda no tempo português e depois de mais edifícios e acessos durante a ocupação indonésia, com algumas reabilitações depois da restauração da independência, em 2002: “Temos aqui edifícios de diferentes épocas, portugueses, indonésios e da independência. A minha ideia é tentar manter essas estruturas como estruturas com valor histórico. Remodelações, mas mantendo o valor histórico”, explicou.

Soares referiu que a zona precisa também de uma nova operação alargada de dragagem e limpeza que “deveria ser feita de dois em dois anos”, mas que aconteceu pela última vez em 2013: “Aqui em Díli temos uma grande sedimentação devido ao material que vem da parte oeste e leste do porto, com canais da cidade que no tempo da chuva arrastam material, pedras, areia e outros detritos”, disse.

O mandato de Constantino Soares termina em Março. Questionado sobre se continuará no cargo, respondeu que, como funcionário público, está “disponível para qualquer coisa”.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.