Lu-Olo quer colocar fim à violência perpetrada por gangues de artes marciais

O Presidente de Timor-Leste, Francisco Guterres Lu-olo, defendeu esta segunda-feira medidas concretas para lidar com a crescente violência associada a grupos de artes marciais no país. Os episódios violentos têm aumentado nas últimas semanas, razão pela qual o Chefe de Estado defende que é importante rever a legislação.

“Tem que se tomar medidas. No passado houve um decreto do Governo que determinou o fecho dos grupos de artes marciais, mas eu acho que essa medida deve ser revista”, disse à agência Lusa Francisco Guterres Lu-Olo.

O chefe de Estado disse ainda que falou esta segunda-feira sobre essa questão com o ministro da Defesa e ministro interino do Interior, Filomeno Paixão, e que se deve reformular o quadro legislativo: “Deve fazer-se uma nova lei, no sentido de dar abertura a esses grupos de artes marciais, para que sejam devidamente controlados”, afirmou.

A preocupação sobre os recentes casos de violência em vários pontos de Timor-Leste envolvendo grupos de jovens ligados a grupo de artes marciais (oficialmente ilegais) levou à convocatória de uma sessão plenária do parlamento que decorreu à porta fechada.

O encontro conta apenas com a presença dos deputados, de dois funcionários administrativos e de representantes dos sectores competentes, nomeadamente do Ministério do Interior, da Secretaria de Estado da Juventude e Desporto, da Polícia Nacional de Timor-Leste (PNTL) e das Forças de Defesa de Timor-Leste (F-FDTL), entre outros.

A decisão de manter o encontro à porta fechada foi tomada na semana passada na conferência de líderes de bancada, tendo em conta o impacto que os sucessivos incidentes de violência estão a ter na segurança do país.

O objetivo, explicou Arão Noé Amaral, presidente do Parlamento Nacional, é fortalecer a colaboração institucional no intuito de “prevenir actividade criminal” e travar a “instabilidade” que os incidentes estão a provocar.

Na semana passada, o comandante da PNTL, Júlio Hornay, disse que as autoridades não vão tolerar que grupos de artes marciais continuem a causar o pânico entre várias comunidades no país, defendendo uma operação alargada para lidar com o problema: “A situação suscita preocupação e há que tomar medidas para lidar com estes actos criminosos que têm vindo a acontecer, envolvendo jovens de grupos de artes marciais”, explicou o comandante. “Os grupos de artes marciais estão a abusar demais”, afirmou, explicando que os grupos actuam ao nível comunitário, com acções de represálias mútuas, contribuindo para que a população em algumas zonas “viva em pânico”, defendendo que a situação não pode continuar.

A operação alargada é necessária, explicou, na sequência de vários incidentes com confrontos graves entre grupos de artes marciais que ocorreram nas últimas semanas, causando pelo menos um morto, vários feridos e vários detidos.

Têm aumentado igualmente o número de casos do uso de “rama ambon”, uma espécie de fisgas com que se lançam pequenas flechas, lâminas ou setas e que são usadas esporadicamente em alguns bairros de Díli, causando várias vítimas.

Segundo especialistas do sector de segurança, muitos dos casos são de jovens “iniciados” em grupos rivais de artes marciais que usam ‘rama ambon’ para lançar flechas contra transeuntes.

O vice-director da Fundação Mahein João Almeida – que acompanha em detalhe o sector da defesa e segurança – disse recentemente à agência Lusa que a monitorização feita pela sua instituição mostra que a maioria dos incidentes violentos do país apontam para o “envolvimento de grupos de artes marciais”.

Entre os problemas apontados por responsáveis do sector da segurança em Timor-Leste está o efeito de uma resolução, de Julho de 2013, que determina a “extinção” dos principais grupos de artes marciais do país, nomeadamente a PSHT, KORK e KERAH SAKTI, aplicando ainda a “proibição total da continuação de qualquer actividade de artes marciais dos respectivos membros”.

Esta resolução foi aprovada depois de incidentes em Díli e noutros locais de Timor-Leste envolvendo “grupos de artes marciais, que têm vindo a provocar distúrbios sérios, destruição de bens, mortos e feridos”.

O objetivo era travar a acção dos grupos, mas os efeitos acabaram por ser contraproducentes, levando muitos participantes a actuar numa maior clandestinidade, reduzindo o controlo das autoridades.

Em Dezembro, Filomeno Paixão disse à agêcia Lusa que este era um assunto “complexo e com muitas vertentes: política, económica, cultural e de outra ordem” em que “não é fácil actuar”, já que “as artes marciais estão bem infiltradas em muitas instituições, inclusive da segurança”.

O controlo total da situação é difícil, admitiu, até porque há “elementos das artes marciais” em instituições como a Polícia Nacional de Timor-Leste.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.