Raid Lisboa-Macau. A travessia que foi apagada da memória pelo Estado Novo

A primeira travessia aérea Lisboa-Macau em 1924 foi apagada da memória histórica durante o Estado Novo porque um dos seus protagonistas se opôs à ditadura militar e ao Estado Novo, referiu à Lusa a investigadora Cátia Miriam Costa.

“Esta viagem foi apagada da memória portuguesa não porque seja menos importante que a viagem de Gago Coutinho e Sacadura Cabral. Mas sobretudo porque Sarmento de Beires é um opositor ao regime que se anunciava”, considerou à Lusa a investigadora do Centro de Estudos Internacionais (CEI) do ISCTE, directora da cátedra de Ibero-América Global e professora da disciplina de China contemporânea e coordenadora do curso China e Extremo oriente

“Apesar de militar, não concorda com a Ditadura militar, nem posteriormente com o Estado Novo, é um homem perseguido durante o período das ditaduras em Portugal”, recorda.

Em 2 de Abril de 1924, os aviadores José Manuel Sarmento de Beires (1892-1974) e António Jacinto da Silva Brito Pais (1884-1934), partem de Vila Nova de Milfontes, na foz do rio Mira, para uma aventura inédita, dois anos depois da travessia do Atlântico Sul (Lisboa-Rio de Janeiro) por Gago Coutinho e Sacadura Cabral.

Após uma viagem muito atribulada, alcançam os arredores da cidade chinesa de Cantão em 23 de Junho após percorrem 16.380 quilómetros com várias escalas e recorrendo a dois aviões –  o “Pátria” e o “Pátria II” –  o primeiro garantido na totalidade por subscrição pública.

O seu companheiro de viagem – para além do alferes mecânico Manuel Gouveia, que se juntou aos dois aviadores na Tunísia – não optou por esse posicionamento político após o golpe militar de 1926: “Brito Pais não está envolvido intelectualmente nem ideologicamente com esse tipo de lutas, no entanto acaba por sofrer do mesmo ostracismo que vem do facto de não se poder reconhecer o seu companheiro de viagem”, indica Miriam Costa.

A concretização da travessia, em 1924, também coincidiu com o início do conflito entre o governo da I República na sua fase terminal, e os aviadores ao serviço da Força Aérea: “Durante a viagem Brito Pais e Sarmento de Beires demonstram a sua solidariedade com os aviadores que estão presos em Alverca. Tinham tentado rebelar-se em protesto contra medidas do Ministério da Defesa. Há uma série de dissensões, e por um lado houve sempre uma tentativa de demonstrarem a sua solidariedade”, conta.

A sua recepção em Macau foi triunfal, à semelhança da forma como são recebidos em Lisboa, com fanfarra perante uma multidão que os saudou no Terreiro do Paço. Recebem condecorações militares da I República, tornam-se referências nacionais.

Após a consolidação do novo regime, com a instauração do Estado Novo por Salazar, acentua-se o ostracismo a um dos heróis da grande viagem, como tinham sido designados pela imprensa da época: “Sarmento de Beires é sempre descrito nos jornais como uma figura de sensibilidade. Ambos são aventureiros, mas o contrataste entre ambos resulta. Brito Pais é mais pragmático. Na descrição física e nas fotografias que são publicadas, Sarmento de Beires aparece mais alourado, o cabelo mais despenteado, é criada esta imagem, apesar de as suas fotos na imprensa serem a preto e branco”, destaca.

Sarmento de Beires poderia ser definido como o “intelectual”, esclarece a académica, autora de publicações que incluem estudos sobre Macau. Pelo contrário, Brito Pais terá optado por uma atitude mais discreta: “É muito interessante que haja esse pendor ligado a essa sensibilidade literária. A verdade é que Sarmento de Beires se dava com muitos intelectuais, e isso explica também a publicação na Seara Nova”, assinala em referência ao livro de poesia do major-aviador “Sinfonia do Vento”, inserida da campanha de fundos para a concretização da viagem e distribuída nesse período, com uma tiragem de 1.000 exemplares.

“Deve sublinhar-se a adopção pela Seara Nova, como uma revista de cultura, deste projecto, uma publicação que depois será conotada com as oposições ao Estado Novo. Sarmento de Beires vem muito desse ramo e tinha uma vida intelectual muito intensa”, salienta.

Os dois militares estiveram destacados em França durante a I Guerra Mundial, onde aprenderam a pilotar aviões, e aí reforçaram a sua amizade. Mas com personalidades distintas, insiste Miriam Costa: “Sarmento de Beires faz tudo aquilo que um oficial do exército faria na sua época. Combateu na I Guerra Mundial, tem uma carreira irrepreensível em termos militares, mas em paralelo tem este interesse pela literatura e também pelas ideias políticas, e é isso que faz dele um opositor ao regime. Sempre se opôs ao golpe militar e ao salazarismo”, acentua.

O antigo aviador do grupo de Esquadrilhas da Aviação República, natural do Porto, autor de romances e de um livro de poemas, e o primeiro a efectuar uma travessia nocturna do Atlântico Sul em 1927 no “Argos”, será demitido das Forças Armadas e forçado ao exílio.

Antes das sentenças, Sarmento de Beires esteve envolvido em tentativas de derrube da ditadura. Foi preso em Lisboa em 1933 e condenado no ano seguinte a sete anos de desterro, com perda dos direitos cívicos durante dez anos.

A sua condenação e detenção na prisão do Aljube coincide com a morte do seu companheiro de aventura Brito Pais, aos 49 anos, vítima de acidente aéreo em 1934: “Foi impedido de comparecer no funeral, assiste à passagem do cortejo fúnebre a partir da prisão. Deixam-no ver através das grades, mas não o deixam descer. Foi algo que o marcou, depois escreve sobre isso”, indica a investigadora.

Mas Sarmento de Beires acabará por se fixar no Brasil durante alguns anos, onde mantém intensa actividade de jornalista, escritor, tradutor e cronista. Em 1951 foi amnistiado e integrado na reserva com o posto de major, e em 1964 recebeu o título de Comendador da Ordem do Império. Mas nunca figurará nas notas da moeda nacional, como sucedeu a Gago Coutinho e Sacadura Cabral, celebrados nas antigas notas de 20 escudos.

Sarmento de Beires morre na cidade do Porto em 8 de junho de 1974, aos 81 anos. Em Vila Nova de Milfontes ainda prevalece um monumento ao avião “Pátria”, que recorda a façanha aérea dos dois militares.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.