Brexit. Angela Merkel acredita que ainda há tempo para uma solução

A chanceler alemã, Angela Merkel, manifestou-se esta terça-feira confiante de que “ainda há tempo” para encontrar uma solução para a saída do Reino Unido da União Europeia, quando faltam menos de dois meses para o ‘Brexit’.

“Por um lado, o tempo urge” e as empresas não podem ser sujeitas a longos processos alfandegários, disse Merkel em Tóquio, perante representantes de sociedades alemãs japonesas.

No entanto, acrescentou, “de um ponto de vista político, ainda há tempo. Dois meses não é muito, mas ainda há tempo e ele deve ser usado por todas as partes interessadas”.

O Reino Unido deve sair da União Europeia a 29 de Março, na sequência de um referendo organizado em 2016.

Merkel reconheceu que a questão do mecanismo de salvaguarda (‘backstop’) para a fronteira entre a República da Irlanda e a Irlanda do Norte, a questão mais difícil nas negociações entre Londres e Bruxelas, “complica” as discussões do ‘Brexit’.

O ‘backstop’ visa evitar o regresso de uma fronteira física entre a República da Irlanda e a província britânica vizinha da Irlanda do Norte, mas é rejeitado pelos partidários do ‘Brexit’, que consideram que esta solução deixaria o Reino Unido indefinidamente na União Europeia.

Para Merkel, trata-se de um “problema claramente definido e que deve por isso encontrar uma solução claramente definida”.

No entanto, essa solução “depende do que será a relação futura entre a Grã-Bretanha e a União Europeia”, acrescentou Merkel, apelando à “criatividade” e à “boa vontade na busca de uma solução”.

Merkel falava em Tóquio após um encontro com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, no dia em que a primeira-ministra britânica vai fazer um discurso sobre o ‘Brexit’ na Irlanda do Norte, para renovar o compromisso de manter uma fronteira aberta entre a região britânica e a vizinha República da Irlanda.

Actualmente, esta solução prevista para ser activada apenas no caso de não estar concluído um novo acordo comercial após o período de transição, no final de 2020, determina que o Reino Unido se mantenha na união aduaneira europeia e que a Irlanda do Norte fique sujeita a certas regras do mercado único.

A fronteira aberta para a livre circulação de pessoas, bens e serviços é um compromisso assumido nos acordos de paz para o território assinados em 1998 pelos governos britânico e irlandês, no âmbito da União Europeia.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.