Clima. Maioria das instalações militares norte-americanas estão ameaçadas

A maioria das bases militares dos Estados Unidos da América estão ameaçadas pelos efeitos das alterações climáticas, de acordo com um relatório do Departamento da Defesa divulgado na sexta-feira.

“Dois terços das 79 infra-estruturas examinadas no relatório estão vulneráveis a inundações recorrentes, hoje e no futuro, e mais de metade estão vulneráveis a períodos de seca, hoje e no futuro”, detalhou-se no documento encomendado pelo Congresso para melhorar o grau de preparação das Forças Armadas face às alterações climáticas.

Outras instalações militares enfrentam riscos de incêndio florestal ou de fusão do ‘permafrost’ (termo que designa terra permanentemente gelada), acrescentou-se no documento, de 22 páginas, que estima a concretização das ameaças num período de 20 anos.

O Pentágono não prevê nenhum financiamento particular para responder a estas ameaças que já estão, segundo o documento, consideradas no actual orçamento do Pentágono.

Mas as críticas não se fizeram esperar, designadamente por o relatório não reflectir o que se pediu e a dimensão da ameaça: “Há muitas coisas que faltam” no documento, sublinhou John Conger, diretor do Centro para o Clima e a Segurança, que junta peritos ambientais e antigos responsáveis militares.

O Congresso tinha incumbido o Pentágono de designar as dez infra-estruturas militares mais ameaçadas pelas alterações climáticas.

Ora, o documento fornece uma lista de 79 bases e instalações por ordem alfabética e, “não se sabe como, ignora o corpo de ‘marines’”, acrescentou Conger, no comunicado daquela organização: “Por outro lado, omite sem explicar a base aérea de Tyndall e a de Camp Lejeune, apesar de estarem confrontadas com trabalhos de recuperação, no valor de milhares de milhões de dólares, depois dos recentes eventos meteorológicos extremos ligados às alterações climáticas”, concluiu.

A base dos ‘marines’ em Camp Lejeune, no Estado da Carolina do Norte, foi devastada pelo furacão Florence, em Setembro de 2018, e o custo das reparações está avaliado em 3,6 mil milhões de dólares.

No Estado da Florida, a base aérea de Tyndall, que alberga os aviões de ‘caça’ furtivos F-22 Raptors, famosos pelo seu elevado custo, foi devastada pelo furacão Michael, em Outubro do mesmo ano, e tem reparações estimadas em cinco mil milhões de dólares.

Negacionista das alterações climáticas, o Presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, retirou os EUA do Acordo de Paris sobre o clima e aliviou ou anulou várias regulamentações ambientais.

“Sob a direção actual, o Departamento da Defesa considera as alterações climáticas como uma questão secundária”, comentou o congressista democrata Jack Reed, membro da comissão das Forças Armadas do Senado.

Ao não identificar as infra-estruturas militares que devem ter prioridade na protecção, este relatório “tem tanto valor quanto uma lista telefónica”, acrescentou Reed.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.