Monte Carlo muda meia equipa para o assalto à Liga de Elite

Joseph Tam Iao San regressa ao comando técnico do Clube Desportivo Monte Carlo, seis anos depois de ter oferecido ao clube “canarinho” o seu último título. A formação dirigida por Firmino Mendonça apresentou esta tarde o plantel com que vai disputar a nova temporada e as novidades são muitas.

O regresso de um treinador de boa memória, de dois jogadores com provas dadas ao serviço do clube e nada mais, nada menos do que catorze reforços. Esta é a receita com a qual o Clube Desportivo Monte Carlo se propõe abordar a edição de 2019 da principal prova do futebol do território, ainda que o objectivo da equipa não passe necessariamente por conquistar o título.
Depois de ter terminado a edição de 2018 da Liga de Elite num pouco promissor sexto lugar, o Monte Carlo operou uma revolução no plantel, ao contratar catorze reforços para o assalto aos primeiros lugares do Campeonato, numa missão em que volta a contar com Joseph Tam Iao San como timoneiro. O antigo seleccionador de futebol de Macau foi responsável pela conquista dos dois últimos títulos a que o clube “canarinho” deitou as mãos, em 2008 e em 2013. Tam Iao San regressa ao comando técnico da equipa cinco anos depois, com o propósito de voltar a colocar o Monte Carlo entre a elite do desporto-rei de Macau e de contestar a hegemonia que o Benfica tem exercido nos relvados do território. O técnico define como principal prioridade a construção de uma equipa competitiva e garante, por isso, que ficará satisfeito se o onze “canarinho” terminar a Liga de Elite entre os quatro primeiros da classificação: “O Monte Carlo volta a fazer uma forte aposta nos jogadores locais e nas estratégias de formação”, recorda Tam. “Grande parte destes jogadores vestem este ano a camisola do Monte Carlo pela primeira vez e o nosso objectivo é, antes de mais, o de construir um grupo de trabalho competitivo, que possa contribuir para o desenvolvimento do futebol de Macau. Em termos competitivos, ficaria satisfeito se a equipa terminar a época entre os quatro primeiro na Liga de Elite e conseguir chegar às meias-finais da Taça”, admite o ex-seleccionador.

Fotografia: Joseph Tam Iao San regressa ao comando técnico do Monte Carlo, seis anos depois de ter levado o clube à conquista do seu último título. MARCO CARVALHO/EXPEDIENTE SÍNICO


Em relação à época passada, transitam para grupo de trabalho orientado por Tam Iao San os guarda-redes Hon Man Fai e Kuok Chon In, os defesas Paulo Cheang Ieong Chi Kin, Iong Oi Chit, Chan Man Kuan e Loi Wai Long, os médios Cheong Hoi San e Kuok San e os avançados Chong Wai Kin e Mok Koi Hei.
A maioria dos atletas que integram o plantel do Monte Carlo para a temporada de 2019 vestem, no entanto, a camisola do emblema “canarinho” pela primeira vez. Aos onze jogadores que sobreviveram à limpeza de balneário juntam-se o guarda-redes Lau Lok Hin, os defesas Pao Chong Kit, U Kam Kit e Fong Chang Fai, os médios Loi Vai Hong, U Leng Fong, Hui Kim Seng e Ma Ho Him e ainda os avançados Cheong Kin Chong, Leong Tak Vai e Lo Man Un.
O clube liderado por Rafael Mendonça promoveu ainda os regressos dos brasileiros Fábricio Lima (ex-Sporting Clube de Macau) e Gilberto Ferreira (ex-Ching Fung) e promoveu ainda a contratação do senegalês Cheick Oumar Diarra, atleta que vestiu a camisola do Ching Fung na última temporada.
Pela primeira vez em quase uma década, o Monte Carlo não contratou qualquer jogador fora de portas, numa decisão que vai ao encontro da política desportiva definida pelo clube, de privilegiar os jogadores locais: “A exemplo do que tem acontecido noutros anos, o plantel do Monte Carlo volta a ser constituído sobretudo por jogadores locais. O clube aposta nas camadas jovens e na prata da casa e conta com a experiência do Fabrício, do Gilberto e do Diarra para ajudar a consolidar a equipa”, sublinhou Firmino Mendonça, dirigente da formação “canarinha” numa conferência de imprensa organizada ao início da tarde.
Para Tam Iao San, a aposta nos jogadores do território é a opção que mais contribui para o desenvolvimento do futebol local, ainda que os jogadores estrangeiros – pela experiência e a técnica que apresentam – constituam uma mais-valia para as equipas do território. O técnico, que no final de 2016 levou a selecção de Macau à final da edição inaugural da Taça do Desafio,está convicto que a Liga de Elite não vai perder competitividade com um Benfica menos forte e lembra que clubes como o Chao Pak Kei e o Ching Fung fizeram investimentos de monta com o propósito de atacar o título: “O Chao Pak Kei, pelo que sei, fez um grande investimento na contratação de jogadores e o Ching Fung também se reforçou bem”, recorda Tam Iao San. “Se me perguntassem quem é o grande candidato ao título, diria que é exactamente o C.P.K”, complementa o também jornalista da Teledifusão de Macau.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.