China. Comércio externo abranda mas superavit com EUA atinge valor recorde

O ritmo de crescimento do comércio externo global da República Popular da China desacelerou, em 2018, enquanto o excedente da balança comercial do país com os Estados Unidos aumentou para um novo máximo, apesar das disputas comerciais com Washington.

No conjunto, as exportações da China registaram um crescimento homólogo de 7,1 por cento, para 2,5 biliões de dólares, depois de terem crescido 7,9 por cento, em 2017. As importações avançaram 12,9 por cento para 2,1 biliões de dólares, após um aumento de 15,9 por cento, no ano anterior. O superavit do país com o resto do mundo fixou-se nos 352 mil milhões de dólares.

O abrandamento na procura global por produtos chineses ocorre numa altura em que o Partido Comunista Chinês se depara com outros indicadores económicos negativos.

No terceiro trimestre de 2018, a segunda maior economia mundial cresceu 6,5 por cento, o ritmo mais baixo dos últimos dez anos. Na totalidade do ano, as vendas de automóveis no país caíram 5,8 por cento, para 22,35 milhões de veículos, no primeiro declínio anual desde 1990.

No mês passado, a actividade da indústria manufactureira da China contraiu-se pela primeira vez, em 19 meses, enquanto em Novembro, os lucros da indústria na China registaram a primeira queda homóloga, de 1,8 por cento, desde Dezembro de 2015, e as vendas a retalho, o principal indicador do consumo privado, recuaram para 8,1 por cento, o ritmo mais lento desde Maio de 2003.

O abrandamento coincide com o espoletar de uma guerra comercial com Washington. Os governos das duas maiores potência mundiais impuseram já taxas alfandegárias sobre centenas de milhares de milhões de dólares das exportações de cada um.

Em causa está a política de Pequim para o sector tecnológico, nomeadamente o plano “Made in China 2025”, que visa transformar as firmas estatais do país em importantes actores globais em sectores de alto valor agregado, como inteligência artificial, energias renováveis, robótica e carros eléctricos.

Os EUA consideram que aquele plano, impulsionado pelo Estado chinês, viola os compromissos da China em abrir o seu mercado, nomeadamente ao forçar empresas estrangeiras a transferirem tecnologia e ao atribuir subsídios às empresas domésticas, enquanto as protege da competição externa.

As autoridades norte-americanas temem ainda perder o domínio industrial global para um país visto como rival estratégico, e cujo crescente poder na Ásia tem causado erosão na influência dos EUA na região.

Ainda assim, o superavit comercial da China com os EUA atingiu o valor recorde de 323,3 mil milhões de dólares, em 2018.

As exportações chinesas para os EUA subiram 11,3 por cento, em termos homólogos, para 478.400 milhões de dólares, enquanto as exportações norte-americanas para o país aumentaram 0,7 por cento.

Já em Dezembro, as exportações para os EUA contraíram 3,5 por cento, em comparação com o mesmo período do ano passado, depois de as taxas alfandegárias sobre cerca de 200.000 milhões de dólares de bens chineses terem entrado em vigor, no mês anterior.

O porta-voz das alfandegas chinesas, Li Kuiwen, admitiu em conferência de imprensa que o ambiente externo é “complicado e austero”.

Li considerou o aumento do “protecionismo e unilateralismo”, uma possível desaceleração no crescimento global e um declínio no investimento internacional como os principais riscos para o comércio chinês.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.