Sonda chinesa quer ouvir o universo a partir da face oculta da Lua

A sonda chinesa Chang’e 4 desdobrou três antenas de cinco metros a partir da sua posição na face oculta da Lua para tentar captar ondas de baixa frequência que “poderiam ajudar a revelar como seria o universo logo após o Big Bang”, noticiou na sexta-feira o jornal de Hong Kong, “South China Morning Post”.

As antenas captam ondas que os aparelhos na Terra não conseguem detectar devido ao bloqueio exercido pela atmosfera terrestre: “A face oculta da Lua é muito silenciosa, já que não há barulho de satélites artificiais”, garantiu o sub-diretor do Centro de Ciência Espacial da China, Zou Yongliao, citado pelo jornal de Hong Kong. “Detectar ondas de baixa intensidade dali (a face oculta da Lua) é um sonho para os astrónomos de todo o mundo”, explicou Zou.

Depois do Big Bang, foram geradas ondas de baixa frequência quando se formaram as primeiras estrelas e galáxias, segundo astrónomos mencionados pelo jornal.

Outro equipamento com antenas deste tipo, desenvolvidas de forma conjunta entre a Holanda e a República Popular da China, está integrado no satélite “espelho” Queqiao, que faz a conexão entre a face oculta da Lua e os centros de controlo na Terra.

O cientista responsável pelo projecto de ondas , o investigador dos Observatórios Astronómicos da China, Ping Jinsong, indicou que os dois grupos de antenas foram desenvolvidos para funcionar por vários anos, inclusive depois do final previsto da missão Chang’e 4, daqui a três anos.

Segundo Ping, as antenas também têm capacidade para captar uma parte do espectro da luz do Sol que não foi estudada anteriormente, o que poderia resultar em informações que serviriam para prever tempestades solares que podem ameaçar a Terra: “Cada descoberta que esses receptores de ondas de rádio na Chang’e 4 fizerem pode complementar o que sabemos da génese do universo”, assinalou Ping.

A Administração Nacional do Espaço da China (ANEC) publicou na sexta-feira uma fotografia panorámica de 360 graus feita por uma câmara instalada o módulo lunar da Chang’e 4.

Nela é possível ver a superfície lunar – de tons cinzentos e cheia de crateras- circundante à sonda, assim como o veículo explorador e o rastro deixado pelo mesmo.

De acordo com a agência estatal de notícias “Xinhua”, vários cientistas fizeram uma análise preliminar do terreno observado na imagem.

A Chang’e 4 está composta por um módulo de alunagem e um veículo explorador, que foi baptizado Yutu 2. Na mitologia chinesa, “Yutu” significa “coelho de jade”, o animal de estimação de Chang’e, a deusa que vive na Lua.

A sonda levou pouco menos de um mês para chegar ao seu destino: foi lançada em 8 de Dezembro, entrou em órbita lunar quatro dias depois e efectuou a alunagem no dia 3 às 10h26 no horário da República Popular da China.

O programa Chang’e começou com o lançamento de uma primeira sonda em 2007 e, desde então, já levou mais quatro aparelhos ao único satélite natural da Terra.

O objetivo final do programa é realizar uma missão tripulada à Lua, mas não há uma data estipulada para isto e alguns analistas acreditam que ela pode acontecer por volta de 2036.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.