Coreia do Norte. ONU diz que direitos humanos não podem ser esquecidos

O relator da Organização das Nações Unidas para os direitos humanos na Coreia do Norte pediu na sexta-feira à comunidade internacional que não esqueça a questão dos direitos fundamentais dos norte-coreanos durante o processo de diálogo para alcançar um acordo paz.

Numa conferência de imprensa em Seul, Tomás Ojea Quintana fez uma avaliação preliminar da sua quinta missão à Coreia do Sul e lamentou mais uma vez que a Coreia do Norte ainda não tenha aceitado o seu pedido para visitar o país e os seus responsáveis ou mesmo “trocar pontos de visita por carta ou pessoalmente”.

O responsável das Nações Unidas, que apresentará um relatório detalhado em março à Comissão de Direitos Humanos da ONU, referiu a situação enfrentada pelos norte-coreanos diariamente e a sua falta de liberdades básicas, os numerosos campos de concentração para dissidentes, além da tortura sofrida por aqueles que desertam e são repatriados.

O relator da ONU, um advogado argentino, insistiu na necessidade de continuar a trabalhar para melhorar esta situação difícil e defendeu que as conversações actualmente em curso com o regime norte-coreano para o desarmamento e para selar um tratado de paz não podem esquecer esta realidade: “Se a situação dos direitos humanos for ignorada num acordo de paz, esse acordo será muito frágil”, disse Ojea. “É importante perguntar-se: quando as partes implicadas falam de ‘paz’, esta ‘paz’ é em benefício de quem? É uma paz que beneficia a todo mundo menos à população norte-coreana?”, questionou.

Ojea Quintana deu como exemplo os possíveis projectos de cooperação económica com Pyongyang financiados por outros países, se a paz for finalmente assinada: “Saberemos, então, como serão as condições de trabalho dos norte-coreanos que trabalharão nesses projectos?”, questionou ainda.

No entanto, o relator da Organização das Naçoes Unidas insistiu que, no momento, “esta não é uma oportunidade perdida, porque as negociações (com Pyongyang) ainda estão na primeira fase”.

Ojea Quintana também questionou as duras sanções impostas (tanto pela Nações Unidas como unilateralmente por vários países e regiões) à Coreia do Norte, como punição pelos seus ensaios de armas, no impacto que podem ter sobre a população: “A economia norte-coreana como um todo tem sido alvo de sanções. Esta fórmula, do ponto de vista dos direitos humanos, levanta muitas questões”, avaliou o responsável da ONU, considerado que “a questão das sanções deve ser abordada o mais cedo possível” no actual diálogo com Pyongyang.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.