Macau reforça cooperação com Shenzhen

Macau assinou esta quinta-feira três protocolos de cooperação com Shenzhen, um dos principais centros financeiros e culturais da República Popular da China. Os memorandos foram assinados em domínios como a área jurídica e das indústrias criativas.

Os protocolos foram assinados em Macau, na sede do Governo, depois de uma reunião em que representantes de ambas as regiões fizeram um balanço sobre os trabalhos realizados até à data no âmbito da cooperação mútua, antecipando os passos a seguir.

“O ano de 2019 é um ano bastante importante, que marca o 40.º aniversário da criação de Shenzhen, bem como o 20.º aniversário do retorno de Macau à pátria”, afirmou o secretário para a Economia e Finanças de Macau, Lionel Leong, momentos após a cerimónia.

Shenzhen, na província de Cantão, no sul da China, foi a primeira cidade chinesa a abrigar uma zona económica especial, implementada pelo Governo chinês em 1979, o que abriu portas ao investimento estrangeiro e transformou a região.

Em 2017, o Produto Interno Bruto (PIB) de Shenzhen ultrapassou os 338 mil milhões de dólares (293 mil milhões de euros), à frente de Hong Kong ou Singapura, dois importantes centros financeiros da Ásia.

Na área das indústrias culturais e criativas, o acordo prevê a cooperação dos dois territórios em convenções e exposições, mas também a criação de “plataformas de intercâmbio internacional para as indústrias criativas de alta qualidade”: “Estamos numa nova era e, de acordo com a construção da Grande Baía, temos de abrir mais âmbitos de cooperação. A área da cultura é muito importante”, defendeu o governador do município de Shenzhen, Chen Rugui.

Já o acordo no âmbito jurídico visa estabelecer “um mecanismo de coordenação e comunicação em matéria jurídica” para “incentivar a colaboração entre os operadores de Direito das duas regiões em matéria legislativa, arbitragem e resolução de conflitos.

As autoridades de ambas as regiões ainda assinaram um memorando de cooperação que prevê a realização de intercâmbios e estágios entre as duas regiões: “Sabemos que os jovens querem integrar-se no desenvolvimento do país, nomeadamente na região da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau (…) Queremos dar-lhes essa oportunidade, aproveitando as oportunidades de desenvolvimento das empresas de Shenzhen”, defendeu Lionel Leong.

O projecto da Grande Baía visa criar uma metrópole mundial a partir das regiões administrativas especiais de Macau e Hong Kong e nove localidades da província de Guangdong (Cantão, Shenzhen, Zhuhai, Foshan, Huizhou, Dongguan, Zhongshan, Jiangmen e Zhaoqing), com mais de 60 milhões de habitantes.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.