“Temos aqui uma comunidade portuguesa sem paralelo no mundo inteiro”

Despediu-se de Macau sob uma chuva de elogios e regressa agora ao território pela porta grande, menos de meio ano depois de ter assumido o estatuto de Embaixador de Portugal em Dakar. Vítor Sereno recebeu esta tarde das mãos de Fernando Chui Sai On o Título Honorífico de Prestígio atribuído pelo Governo da Região Administrativa Especial. Em declarações à imprensa após a cerimónia, o antigo Cônsul Geral de Portugal em Macau e Hong Kong fez questão de dedicar a distinção à comunidade portuguesa radicada no território, à qual teceu rasgados elogios. Depois de ter feito da diplomacia desportiva um trunfo em Macau, na costa ocidental africana a aposta do diplomata recai sobe a diplomacia económica: o objectivo, diz, é colocar o Senegal e a Costa do Marfim entre os 25 principais destinos das exportações portuguesas.

Um reconhecimento inesperado. Eventualmente, não esperaria voltar a Macau tão cedo e, eventualmente, para algo tão especial …

Não esperava voltar tão cedo. Regresso feliz, ainda que constipado. Este não é um reconhecimento ao Vítor Sereno, no meu entender. Este é um reconhecimento, em primeiro lugar à comunidade portuguesa. Esta comunidade que esteve comigo ao longo dos últimos cinco anos e meio, a todos as portuguesas e a todos os portugueses que diariamente trabalham e vivem. É um reconhecimento na figura do Cônsul Geral que, no caso, se chamava Vítor Sereno. É também um reconhecimento à equipa de trabalho que eu tive a honra de chefiar. E é também um reconhecimento, evidentemente, à minha família, a quem eu dedico este título honorífico. Estou muito feliz. Estou muito emocionado. É bom rever tanta gente, tanta cara amiga e basicamente este é um reconhecimento que eu partilho, em primeiro lugar, com a comunidade portuguesa aqui residente. Acho que não há muito mais a dizer.

Que compromissos traz na agenda neste regresso a Macau?

Não é uma agenda oficial. Vim a Macau porque acho que fazia todo o sentido vir aqui receber por mão própria e não me fazer representar nesta cerimónia e, portanto, não há aqui nada de oficial. Aliás, como sabem, continuo a exercer as minhas funções diplomáticas noutro continente; o Consulado Geral de Portugal está muito bem entregue nas mãos do Embaixador Paulo Cunha Alves e, portanto, a minha agenda aqui é basicamente uma agenda particular. É basicamente, nestes curtos dias, rever alguns amigos, deixar através dos órgãos de comunicação social em língua portuguesa um abraço aos que não posso rever e basicamente é isso.

Uma pergunta pouco diplomática. Ao fim de mais de cinco anos – e tendo esta intromissão de quatro ou cinco meses pelo meio – já há saudades de Macau ou nem por isso?

Saudades de Macau vão existir sempre, como existem saudades de outros postos por onde eu passei. Agora Macau, como vocês sabem, acho que foi muito marcante. Foi muito marcante na minha vida profissional, por razões óbvias, e foi muito marcante também na minha vida pessoal. Aliás, eu tenho um grande defensor de Macau lá em casa, que tem 15 anos e que todos os dias me recorda as saudades que ele tem de Macau. É evidente. Marcou a minha família, marcou a minha carreira e é impossível, com a comunidade portuguesa que nós aqui temos, com a qualidade … Eu disse, numas declarações na altura em que soube que me tinham atribuído este título honorífico, eu disse – e disse-o de coração – que este título era de facto dedicado à comunidade portuguesa. Temos aqui uma comunidade portuguesa sem paralelo no mundo inteiro. Em termos de qualificações, em termos de ajuda à representação diplomática, em termos do interesse pelo próprio país que eu não encontro em mais lado nenhum … Este é, enfim, um regresso a África, mas eu já trabalhei em quatro continentes e nunca vi isto em sítio nenhum. Este título é, no fundo, um reconhecimento à qualidade dos cidadãos portugueses que aqui vivem nesta Região Administrativa Especial.

Já há uma “Embaixada de Portugal Futebol Clube” em Dakar? Ou não está nos planos?

Não. Nem pode haver. O projecto que nós criamos aqui de diplomacia desportiva não pode ter réplica porque … Em primeiro lugar porque não tenho assim tantos cidadãos portugueses com quem possa fazer uma equipa. Agora, como vocês sabem, eu gosto muito de futebol e às quintas-feiras treino com alguns colegas diplomatas. Há uma representação diplomática muito, muito grande. Dakar é um polo muito importante dentro de África. Há mais de oitenta embaixadas lá representadas e eu tento manter apenas para meu divertimento a minha forma física lá, mas do ponto de vista oficial, diplomacia desportiva é algo que neste momento não há. Há é uma aposta … Gostava, se me permitem, de falar um bocadinho do Senegal, e uma vez que sou embaixador em nove países, há uma aposta clara na língua portuguesa. O Senegal, sob esse ponto de vista é um país muito interessante … Eu tenho cerca de 45 mil estudantes num país francófono e numa área onde moram 320 milhões de pessoas, nestes países todos sob minha responsabilidade diplomática, tenho 45 mil pessoas a aprender português, o que é muito interessante. Por outro lado, eu cubro dois gigantes em África: um deles é o Senegal e o outro é a Costa do Marfim e a minha aposta vai ser claramente – já está a ser – na área da diplomacia económica. O Senegal ocupa, estranhamente, a posição 55 no âmbito das nossas exportações e a Costa do Marfim a posição número 57, 58. Estive reunido há uns meses com alguns empresários portugueses e é meu objectivo colocar as exportações portuguesas no mapa, no top 25, quer no que diz respeito a um país, que no que diz respeito ao outro. São os dois gigantes. As nossas relações com os outros países – com a Guiné Conakry, com a Libéria e com a Serra Leoa são obviamente importantes do ponto de vista político, mas do ponto de vista comercial são muito, muito residuais.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.