Governo juntou dirigentes para que assimilem o “espírito do discurso” de Xi Jinping

O Governo reuniu esta sexta-feira altos dirigentes dos serviços públicos do território para se “transmitir e aprender o espírito do discurso do Presidente [chinês] Xi Jinping”, informaram as autoridades em comunicado.

A iniciativa juntou 180 titulares dos principais cargos e directores e “teve como objectivo dar a conhecer de forma mais precisa (…) o espírito e a estratégia principal da nova era da reforma e abertura nacional”, exortando-os “a agarrarem as oportunidades e a trabalharem com entusiasmo e empenho”.

Num dos pontos no discurso do chefe do Executivo sublinhou-se a importância de se “estar consciente da defesa do regime político, da soberania, segurança e interesses nacionais, dando cumprimento ao estipulado na Constituição”.

A intervenção de Chui Sai On surge em sintonia com aquela realizada a 20 de Dezembro e que marcou a cerimónia principal do 19.º Aniversário da Região Administrativa Especial de Macau, quando se assinalou a passagem para Pequim do território que esteve mais de 400 anos sob administração portuguesa.

Chui Sai On defendeu então que o futuro do território passa por concretizar o sonho do “grande renascimento da nação chinesa” e em cumprir “os quatro desejos” que o Xi Jinping formulou para Macau.

Então, tal como ontem, Chui Sai On enfatizou que o desígnio do território passa por cumprir “os quatro desejos” que o Presidente da China formulou para Macau: “Contribuir, de forma mais activa, para a abertura plena do país; integrar-se (…) no desenvolvimento geral do País; participar (…) na prática governativa do país e impulsionar (…) o intercâmbio humanístico internacional”.

No discurso ficou expressa a ideia de que é essencial apoiar e participar proactivamente na construção do projecto internacional chinês de investimento em infra-estruturas, ‘Uma Faixa, Uma Rota’, e pugnar pela integração no desenvolvimento da Grande Baía, aproveitando as vantagens do princípio ‘Um País, Dois Sistemas’, promovendo Macau como um centro mundial de turismo e lazer e plataforma de serviços para a cooperação comercial entre a República Popular da China e os países de língua portuguesa.

O projecto da Grande Baía visa criar uma metrópole mundial a partir dos territórios de Hong Kong, Macau e nove cidades da província chinesa de Guangdong (Cantão, Shenzhen, Zhuhai, Foshan, Huizhou, Dongguan, Zhongshan, Jiangmen e Zhaoqing), com mais de 60 milhões de habitantes, quase equivalente à população de França.

.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.