China desenvolve comboios de alta velocidade sem condutores

Os novos comboios deverão estrear-se por ocasião dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2022 e ligam Pequim a Zhangjiakou, a localidade da província de Hebei onde se realizam os Jogos Olímpicos de Inverno. O sistema permite que o comboio arranque, circule e pare com precisão nas estações ferroviárias.

A República Popular da China está a desenvolver um sistema que permite controlar remotamente comboios de alta velocidade, abdicando de condutores, e que se estreará durante os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022, informou  a imprensa oficial chinesa.

O sistema permite que o comboio arranque, circule e pare com precisão nas estações ferroviárias, de acordo com a agência noticiosa oficial Xinhua.

As autoridades esperam que os comboios entrem em funcionamento na linha de quase 200 quilómetros, que liga Pequim a Zhangjiakou, o local onde se realizam os Jogos Olímpicos de Inverno, na província de Hebei.

Um sistema semelhante está já em funcionamento na província de Guangdong, no sudeste do país, com comboios interurbanos, que alcançam 200 quilómetros por hora. Mas os comboios que ligarão Pequim a Zhangjiakou vão deslocar-se a uma velocidade de até 350 quilómetros por hora.

Este ano, a República Popular da China planeia expandir a sua malha ferroviária de alta velocidade em 3.200 quilómetros, para um total de 30.000 quilómetros, anunciou na quarta-feira Lu Dongfu, o director-geral da China Railway, entidade que opera as ferrovias do país.

A primeira linha chinesa de alta velocidade – um troço de 117 quilómetros entre Pequim e Tianjin – começou a funcionar em 2008, quando a capital chinesa organizou os Jogos Olímpicos, 28 anos depois do nascimento do TGV francês.

Quando o Japão lançou o seu “comboio-bala”, em 1964, a China era um país pobre e isolado, mergulhado em constantes “campanhas políticas” e empenhada em “aprofundar a luta de classes”.

Em 2012, o país inaugurou a linha de alta velocidade mais extensa do mundo, com 2.298 quilómetros, que liga Pequim a Cantão. Hoje, a malha ferroviária de alta velocidade da China compõe dois terços do total do mundo.

Durante a última dinastia imperial (1644-1911), o governo chinês começou por se opor ao caminho-de-ferro e só em 1881 autorizou a construção da primeira via-férrea.

O acelerado desenvolvimento da rede chinesa de alta velocidade ficou também marcado por um grave acidente, que matou 40 pessoas, no Verão de 2011.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.