Organização Mundial de Saúde vai criar grupo de trabalho sobre manipulação genética

A decisão foi esta segunda-feira anunciada em Genebra pela director-geral da OMS, depois de um cientista chinês ter anunciado o nascimento dos primeiros bebés do mundo com ADN alterado. No entender de Tedros Adhanom Ghebreyesus, a modificação de genes não pode ocorrer sem directrizes claras.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) vai criar um grupo de trabalho sobre manipulação genética, indicou na segunda-feira o director-geral da organização, depois de um cientista chinês ter anunciado o nascimento dos primeiros bebés do mundo com ADN alterado.

De acordo com o director-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, que falou ontem à imprensa em Genebra, na Suíça, a modificação de genes em humanos “não pode ocorrer sem directrizes claras”.

Tedros Adhanom Ghebreyesus disse que a Organização Mundial de Saúde reúne especialistas que irão trabalhar com os Estados-Membros da organização para “discutir os critérios e directrizes que possam responder aos problemas éticos e de segurança no seio da sociedade”.

O grupo de trabalho da Organização Mundial de Saúde sobre manipulação genética inclui académicos, peritos da organização e médicos, precisou, sem apontar a iniciativa como uma resposta directa à experiência chinesa: “Temos de ser muito prudentes (…). Não nos devemos comprometer com a manipulação genética sem ter em conta as consequências não desejadas”, sublinhou o director-geral da Organização Mundial de Saúde.

O cientista chinês He Jiankui anunciou, num vídeo difundido na semana passada no YouTube, o nascimento de duas gémeas cujo material genético foi modificado, na fase embrionária, para as tornar resistentes ao vírus da sida. O pai das bebés estava infectado com o VIH.

A experiência, cujos resultados não foram confirmados por pares nem publicados em revistas científicas, foi condenada pela comunidade científica chinesa e internacional.

O Governo chinês e a universidade onde trabalha o investigador anunciaram a abertura de uma investigação ao caso, condenado, numa posição hoje divulgada, pelo Conselho de Ética para as Ciências da Vida de Portugal, que classificou a experiência como eticamente inaceitável, moralmente irresponsável e que implica riscos imprevisíveis.

As manipulações do genoma (informação genética) humano do género da anunciada pelo cientista chinês estão proíbidas nos países que subscreveram em 2010 a Convenção Nacional dos Direitos do Homem e da Biomedicina do Conselho da Europa, entre os quais Portugal.

O Conselho de Ética português considera que, ainda assim, deve “reforçar-se a necessidade de se desenvolverem esforços adicionais de regulação científica e bioética” a nível internacional para “salvaguardar situações similares” no futuro.

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.