Portugal/China: Papel de Macau reforçado com visita a Lisboa

Para três especialistas nas relações luso-chinesas ouvidos pela agência Lusa, a visita de Xi Jinping a Portugal reforça o estatuto de Macau como palco dos grandes negócios que têm sido forçados entre Pequim e os países de língua e expressão portuguesa ao longo dos últimos anos.

Especialistas em relações sino-lusófonas consideram que Macau tem sido palco dos grandes negócios entre a República Popular da China e os países lusófonos, um cenário que pode ser reforçado com a visita do Presidente chinês a Portugal.

O jornalista e investigador José Carlos Matias destaca o papel de Macau como “um palco pelo qual passaram grandes negócios ligados a países lusófonos, sobretudo pela ação de intermediários”.

Já o secretário-geral adjunto do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Fórum de Macau), Rodrigo Brum, realça que só no último ano as relações comerciais sino-lusófonas representaram 117 mil milhões de dólares.

Macau “tem desempenhado um papel muito importante na manutenção e até no reforço da língua portuguesa, que deixa de significar apenas uma herança colonial, mas passa a ser um activo” no “contexto de estratégica económica de Pequim em relação aos países lusófonos”, afirma o director do jornal bilingue (chinês/português) Plataforma e autor de diversos trabalhos académicos na área das relações sino-lusófonas.

“Decorrente das ligações de Portugal aos seus antigos ‘territórios ultramarinos’ as relações com Macau sempre tiveram importância, sendo disso exemplo a comunidade chinesa de Moçambique, mas também as relações comerciais existentes desde o século passado”, explica à Lusa Rodrigo Brum.

Essas relações foram “facilitadas pelas linhas marítimas então asseguradas pelas Companhia Nacional de Navegação e Companhia Colonial de Navegação, entre outras, com relevante importância no transporte de pessoas e bens”, aponta o responsável do Fórum de Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa.

O Fórum de Macau, criado em 2003 pelo Governo chinês, é um mecanismo multilateral de cooperação intergovernamental onde participam Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, Timor-Leste e São Tomé e Príncipe, tem como objectivo a consolidação do intercâmbio económico e comercial entre a China e os países de língua portuguesa, utilizando Macau como plataforma de ligação entre estes países.

Para Rodrigo Brum, desde a criação há 15 anos do Fórum de Macau o “crescimento das relações económicas entre a China e os países de língua portuguesa não poderia ter mudado mais drasticamente: a China tornou-se o maior parceiro comercial dos países de língua portuguesa, passando o valor global do comércio de importação e de exportação de 6 mil milhões de dólares, à data da criação do Fórum de Macau, para mais de 117 mil milhões de dólares no ano transacto, um crescimento de 20 vezes”: “Os investimentos durante os 15 anos de existência do Fórum de Macau aumentaram cerca de 100 vezes”, aponta.

Por outro lado, argumenta José Carlos Matias, o Fórum Macau confere “uma funcionalidade ao território no contexto da política externa e desenvolvimento nacional chinês” que se entrelaça “com o posicionamento de ‘Las Vegas da Ásia’”, numa dimensão multilateral que não enfraquece a relação bilateral China-Portugal”.

A visita do Presidente da China, Xi Jinping, a Lisboa de 4 a 5 de Dezembro, vai revalidar e reafirmar o papel de Macau como plataforma, num contexto em que “a língua, a cooperação científica e o quadro jurídico se destacam como valores acrescentados, com uma dimensão prática”, antevê.

Na opinião pessoal de Rodrigo Brum, a visita oficial em conjugação com a retribuição já anunciada para o próximo ano do Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, à República Popular da China, a relação entre os dois países “não será descurada e a cooperação tomará um novo rumo de desenvolvimento com resultados auspiciosos”.

As transacções electrónicas da China, lembra Rodrigo Brum, “representam só por si mais de 50 por cento das transacções mundiais. O sector das infra-estruturas tem também na República Popular da China uma expressão excepcional, sendo de salientar a importância da iniciativa da Rota da Seda para o desenvolvimento e cooperação a nível global”.

Também a presidente da Associação Amigos da Nova Rota da Seda afirmou à Lusa estar confiante que a visita de Xi a Portugal “irá marcar mais uma etapa no estreitamento de relações entre Portugal e China”.

A Nova Rota da Seda (mais conhecida como “Uma Faixa, Uma Rota”) foi lançada em 2013 pelo Presidente chinês e inclui uma malha ferroviária intercontinental, novos portos, aeroportos, centrais elétricas e zonas de comércio livre, visando ressuscitar vias comercias que remontam ao Império Romano, e então percorridas por caravanas: “Temos elevadas expectativas que sejam assinados Protocolos de Cooperação no âmbito da conectividade entre a Europa e a China, mas também na área da investigação e cooperação académica ao nível universitário”, disse Fernanda Ilhéu, destacando que gostaria de ver parcerias conjuntas “nos países de língua portuguesa”, como “a construção e manutenção de infra-estruturas”, mas também na agro-indústria, pesca, serviços, educação e saúde.

 

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.