Governo avança com medidas para reduzir uso de plástico descartável

Numa primeira fase, as medidas esta sexta-feira propostas pela Direcção dos Serviços de Protecção Ambiental ficam-se pela aposta na sensibilização. Os responsáveis pelo organismo asseguram, no entanto, que no futuro serão cobradas taxas sobre os sacos de plástico agora oferecidos pelos supermercados.

O Governo anunciou esta sexta-feira que vai instalar bebedouros em alguns espaços públicos do território para reduzir o uso de garrafas de plástico descartáveis.

Em conferência de imprensa, a Direção dos Serviços de Protecção Ambiental (DSPA) deu a conhecer uma série de actividades para reduzir o uso de plástico descartável na cidade, sobretudo através de campanhas de sensibilização, numa altura em que activistas continuam à espera de medidas legislativas.

De acordo com a chefe do departamento de Sensibilização, Educação e Cooperação da DSPA, Ieong Kin Si, a instalação a título experimental de um bebedouro no recinto do Festival de Gastronomia, que decorreu este mês, “fez poupar 4.400 garrafas de água”.

No final de Dezembro, as autoridades vão lançar a actividade “A vida sem plástico é muito fácil”, em colaboração com associações e uma aplicação de comércio electrónico que colabora com cerca de 1.300 estabelecimentos.

A actividade, que se vai prolongar por seis meses, pretende sensibilizar a população para a adopção de utensílios de mesa ecológicos, nomeadamente de aço inoxidável, em vez dos habituais descartáveis.

Questionada sobre o uso excessivo de sacos de plástico nos supermercados, Ieong Kin Si disse que a futura legislação irá pressupor o pagamento de uma taxa: “Estamos a proceder à respectiva legislação. Serão cobradas taxas depois da legislação”, garantiu Ieong Kin Si.

Em finais de Outubro, depois de uma reunião com activistas que exigem o fim do plástico descartável em Macau, o Governo prometeu que “vai aprofundar gradualmente os respectivos trabalhos legislativos [sobre proteção ambiental] e estabelecerá os respectivos critérios”.

No entanto, a legislação é, na opinião da responsável, apenas “uma forma” de combater o uso de plástico: “Educar e sensibilizar é o mais importante e é nisso que vamos apostar”, disse.

Uma petição entregue no final de Agosto passado ao Governo de Macau, na altura com 4.500 assinaturas, pedia que fossem proibidos os sacos plásticos no território. Macau produz mais lixo ‘per capita’ que cidades como Pequim, Xangai ou Hong Kong.

No mês passado, Annie Lao, um dos rostos da petição, disse à agência Lusa que vai continuar a recolher assinaturas até o Governo avançar com leis: “Vamos continuar com iniciativas para elevar a consciência da população, não vamos desistir”, sublinhou a activista.

De acordo com o Relatório do Estado do Ambiente de Macau 2017, da DSPA, a quantidade de resíduos sólidos urbanos por dia ‘per capita’ foi de 2,16 quilogramas, um aumento de 2,9 por cento em relação a 2016.

No total, em 2017, Macau gerou 510.702 toneladas de resíduos sólidos urbanos.

 

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.