CEM. Nova central a gás natural vai reduzir emissões de carbono em 50 por cento

A garantia foi na quarta-feira dada por João Marques da Cruz, vice-presidente do Conselho de Administração da Companhia de Electricidade de Macau. O responsável assegura a nova central térmica será uma das mais avançadas do mundo em termos ambientais.

A Companhia de Eletricidade de Macau (CEM) anunciou na quarta-feira que a nova central térmica do território, impulsionada a gás natural – e que deverá entrar em em funções em 2022 – poderá diminuir em 50 por cento as emissões de carbono.

“A actual capacidade usa tecnologias que já não são as mais modernas, têm níveis de poluição razoavelmente acentuados. Vamos substituir essa capacidade mais poluente por um ciclo combinado usando gás natural, que tem uma redução em 90 por cento de alguns poluentes, e em média de 50 por cento”, disse aos jornalistas o vice-presidente do Conselho de Administração da CEM, João Marques da Cruz.

As emissões de carbono, nomeadamente, podem ser reduzidas em 50 por cento.

O objetivo da empresa é criar em Macau uma das “melhores centrais térmicas em termos ambientais do mundo”, apontou Marques da Cruz, que falava na cerimónia do 40.º aniversário e início da expansão elétrica da central térmica de Coloane.

Ao mesmo tempo que diminui a emissão de gases poluentes, a nova central vai também aumentar a capacidade de produção de energia local, destacou o secretário para os Transportes e Obras Públicas, Raimundo do Rosário, presente na cerimónia: “A nova central térmica tem dois benefícios: por um lado, aumenta a capacidade de produção própria da energia de Macau. Por outro, é movida a gás natural, portanto, é mais verde”, assinalou Raimundo do Rosário.

Actualmente, mais de 70 por cento da energia é importada da China, pouco mais de 20 por cento é gerada pela CEM e o resto provém da Incineração de Resíduos Sólidos de Macau.

No entanto, lembrou Marques da Cruz, o objectivo não é reduzir a importação da China, mas sim aumentar a produção local de energia da forma mais sustentável possível: “Não pretendemos com esta central uma alternativa à importação do interior da China – temos até projetos para reforçar com uma terceira interconexão – mas nas horas e nos dias que produzimos, vamos produzir de forma limpa”, detalhou.

O mesmo responsável adiantou ainda que a nova central será capaz de responder a “situações extremas”, como tempestades tropicais. O tufão Hato, no ano passado, e o Mangkhut, em Setembro último, causaram interrupções no fornecimento de eletricidade no território: “Em situações extremas, de tufões, em que há uma disrupção da rede, temos aqui capacidade de produzir de forma limpa”, disse.

Quanto ao orçamento para esta nova central, o responsável avaliou o projecto entre os 2,7 e os 3 mil milhões de patacas (entre 296 e 328,9 milhões de euros).

“Esperemos que esteja em funcionamento daqui a três anos. Estamos muito perto do Cotai , não é correto num local turístico haver uma fonte poluidora”, concluiu.

 

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.