“El Chapo”. Do tráfico de cocaína às mesas de jogo de Macau

O mais poderoso dos barões da droga mexicanos, “El Chapo” Gúzman tinha por hábito jogar em Macau. A revelação foi feita na terça-feira pelo antigo braço-direito do líder do cartel de Sinaloa, Miguel Ángel Martínez. O julgamento de Joaquin “El Chapo” Guzmán decorre em Brooklyn, Nova Iorque.

Joaquin “El Chapo” Guzmán começou a traficar cocaína porque era pobre. “Não tinha nada para comer”, conta Miguel Ángel Martínez, conhecido entre os membros do quartel de Sinaloa como “El Gordo”. Começou por vender laranjas e pastéis caseiros confeccionados pela mãe, mas cedo acumulou uma fortuna que lhe permitiu adquirir uma frota de quatro aviões privados, comprar mansões nas melhores praias do México, viajar para o outro lado do mundo para apostar nas mesas de jogo de Macau e até construir um Jardim Zoológico numa das suas múltiplas fazendas.

“Tudo isto aconteceu graças ao boom no consumo de cocaína registado no começo da década de noventa”, contou Martínez esta terça-feira na sétima audiência do julgamento contra o barão da droga mexicano que se celebra em Brooklyn, ao mesmo tempo que o Ministério Público mostrava ao júri uma fotografia de um Learjet 36, da Bombardier, estacionado num hangar. Quando começou a trabalhar como piloto para Guzmán, assegura, o seu chefe “não tinha nada”. A ascensão foi fulgurante e antes de ser detido pela primeira vez gastou dez milhões de dólares para comprar uma propriedade em Acapulco, na costa mexicana do Pacífico.

“El Gordo” chegou a ser o braço direito do barão da droga. “Foi o melhor negocio do mundo”, afirmou durante o testemunho. Na marina privada dessa mansão tinha atracado um iate a que chamou Chapito, sempre de acordo com o testemunho de Martínez, detido no México em 1998 e extraditado três anos para os Estados Unidos da América. “El Chapo” pode vir a ser condenado a prisão perpétua por ter liderado uma rede criminosa que conseguiu que o cartel de Sinaloa introduzisse 155 toneladas de droga nos Estados Unidos da América ao longo de um quarto de século.

No julgamento, Miguel Ángel Martínez – que coopera com o Ministério Público norte-americano – identificou sempre o acusado como seu “chefe”. A defesa, que assegura que “El Gordo” gastava diariamente 4000 dólares por dia em cocaína tenta demonstrar que, na verdade, “El Chapo” era um entre muitos.

Joaquín Guzmán chegou a ser tão rico que no seu rancho de Guadalajara (no estado de Jalisco, onde começou a edificar o seu quartel) tinha, entre outras extravagâncias, quatro piscinas e um Jardim Zoológico onde exibia tigres, leões, panteras e veados: “Os convidados percorriam o zoo num comboiozinho”, explicou “El Gordo”, ao expor os vícios de novo rico do alegado líder do cartel de Sinaloa.

As viagens ao estrangeiro tornaram-se mais frequentes à medida que o negócio se ia expandindo: “Estivemos no Brasil, na Argentina, na Europa, no Japão, em Hong Kong e uma vez foi à Suiça única e exclusivamente para fazer um tratamento de rejuvenescimento. Também viajou para Macau para jogar”. El Gordo recebeu, de acordo com o seu testemunho, ordens do seu chefe para que oferecesse presentes generosos aos que o rodeavam: “Houve um mês de Dezembro em que tive de comprar 50 carros de luxo. Os destinatários podiam eleger um de três modelos”, sublinhou Martínez.

Manter a opulência custava, no entanto, muitíssimo dinheiro: “Uns doze milhões de dólares mensais”, detalha “El Gordo”, que se apresentou perante o júri como o gestor dos negócios de Gúzman. Falou de todas as mulheres com as quais “El Chapo” mantinha relações sentimentais: “A sua família era muito grande”, salienta.

Martínez falou ainda das festas que o barão da droga organizava: “Gostava de cognac”, detalha. O pagamento que recebi do chefe era escasso para tudo aquilo que tinha para fazer, assegura: um milhão de dólares por ano.

O relato de Miguel Ángel Martínez centra-se na fase inicial da organização criminal. “El Gordo” esteve a mando de Guzmán entre 1987 e 1993. Entre as responsabilidades que tinha em mãos figurava a gestão do dinheiro que “El Chapo” obtinha com a venda de estupefacientes para os Estados Unidos da América. Os aviões privados eram utilizados para transportar o pagamento da fronteira até à Cidade do México, sempre em fardos de até dez milhões de dólares. A testemunha explicou que o dinheiro era depois depositado em várias contas bancárias, até ser assimilado pelo sistema bancário. “Se me perguntassem, dizia que era dinheiro ganho com um negócios de exportação de tomate que seguia de vento em popa”.

A guerra

Os benefícios das actividades ilícitas foram também utilizados para adquirir propriedades com o recurso a identificações falsas para assim poder branquear o dinheiro decorrente do tráfico de droga. Os proveitos foram também utilizados para estabelecer sociedades que funcionavam apenas como disfarce para que o cartel continuasse a realizar as suas operações. A rede liderada por Guzmán chegou a enviar cocaína para os Estados Unidos dentro de latas de latas de jalapeño.

O dinheiro serviu, por outro lado, para o pagamento de subornos às forças de segurança mexicanas, para aquisição de imóveis de um e do outro lado da fronteira, para a construção de túneis e, ainda, para financiar a luta contra o cartel rival e Tijuana.

A guerra que manteve com os irmãos Arellano-Félix teve dois momentos chaves que deram relevância à figura de “El chapo: o tiroteio na discoteca Christine e o assassinato do cardeal Juan Jesús Posadas Ocampo.

“Tornaram-se famosos na imprensa e por entre os políticos”, contou Martínez. “Começou a ser muito difícil operar porque as suas fotografias estavam nos noticiários nacionais de dez em dez minutos”.

Guzmán acabour por ser detido em Junho de 1993, quando tentava escapar para El Salvador.

“El Gordo” tomou temporariamente conta dos activos de Gúzman e subornou a um funcionário da prisão para que protegesse “El Chapo”, fazendo-lhe chegar um telefone móvel para que pudesse comunicar com o exterior e dirigir a organização. Guzmán pediu ainda a Martínez para que tomasse conta das suas mulheres e protegesse a sua família.

“Não tinha o carácter necessário para assumir o seu lugar e liderar o cartel”, admite Miguel Ángel Martínez, citado pelo jornal El País.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.