Segurança. Pilotos de F1 vão discutir acidente de Flörsch com a FIA

Em causa está o recurso a correctores encurvados na principal categoria mundial do automobilismo, em circuitos como Monza ou Spa-Francorchamps. Romain Grosjean, presidente da GPDA, considera que os correctores encurvados estreados este ano no Circuito da Guia são redundantes e não contribuíram em nada para o acidente protagonizado por Sophia Flörsch.

A Associação de Pilotos de Fórmula 1 (GPDA, a sigla em inglês para Grand Prix Drivers Association) quer discutir com a Federação Internacional de Automobilismo as circunstâncias em que Sophia Flörsch se despistou no passado domingo, no âmbito da edição de 2018 da Taça do Mundo de Fórmula 3.

A jovem piloto, que competiu aos comandos de um Dallara Mercedes da Van Amersfoort Racing, foi catapultada quando seguia a mais de 276 quilómetros por hora, depois do seu monolugar ter passado por cima de um novo tipo de correctores encurvados colocados na curva do Lisboa. O carro acabou por sobrevoar a barreira de protecção e embater num local onde se encontravam vários fotógrafos e comissários de pista.

“Na minha perspectiva, a Sophia teve muita sorte por não ter sofrido consequências mais graves, defendeu, em declarações ao portal Motorsport.com o francês Romain Grosjean, actual presidente da Grand Prix Drivers Association.

“A notícias de que a operação decorreu de forma bem-sucedida é muito encorajadora e foi uma sorte que o piloto que estava na curva [Sho Tsuboi] não tenha sido atingido. No entanto, o corrector encurvado não contribuiu em nada para minimizar o acidente”, defendeu Grosjean.

“Os circuitos devem ser ladeados por relva. É óbvio que não se pode fazer isso num circuito urbano, mas a maior parte das vezes que abordamos as questões dos limites da pista, se houvesse relva não haveria ligar a qualquer discussão”, assumiu o presidente da Grand Prix Drivers Association.

O piloto francês defende que, no caso dos circuitos que recebem o Campeonato do Mundo de Fórmula 1 não faz sentido recorrer aos correctores encurvados: “Os correctores de Spa e de Monze, em alguns locais, pura e simplemente não encaixam. Não me parece a melhor solução”, sublinha.

Romain Grosjean defende que, dado que a Fórmula 1 é a categoria em que os carros atingem maiores velocidades, é importante que a Grand Prix Drivers Association se mantenha atenta às questões de segurança nos circuitos que acolhem as principais provas mundiais de automobilismo.

O piloto gaulês assegurou que os dirigentes da Grand Prix Drivers Association vão discutir o acidente protagonizado por Sophia Flörsch com Charlie Whiting, director de corridas da Federação Internacional de Automobilismo.

Grosjean disse ainda que o despiste sofrido por Sophia Flörsch lhe recordou um acidente sofrido há quatro anos pelo piloto russo Konstantin Tereshchenko numa sessão de treinos livros de uma prova de GP3, disputada no circuito belga de Spa-Francorchamps: “Já discutimos esta questão no grupo de Whatsapp da GPDA. O acidente foi muito semelhante ao ocorrido na GP3 há uns anos, com o corrector encurvado no interior da curva catapultou o carro que passou por cima dele”, lembra o piloto.

Corri três vezes em Macau e lembro-me bem da curva do Lisboa. Sinceramente, não sei o que ali está a fazer um corrector encurvado”, defendeu o piloto gaulês. “Não há qualquer necessidade, até porque há um muro. Se cortas a curva, bates no muro. Un corrector plano seria, sim, uma boa ideia”, sustenta o presidente da Grand Prix Drivers Association.

“Na curva de Monza acontece o mesmo. Se algo se passa na prova de Fórmula e passas por cima dessa estrutura, acabas no centro de Milão”, avisa Romain Grosjean.

Os responsáveis pelo Campeonato do Mundo de Fórmula 1 estiverem no fim-de-semana passado reunidos no Brasil com os pilotos que vão disputar a próxima edição da prova com o objectivo de discutir as novas regras e o futuro da competição.

Grosjean acredita que o facto da Grand Prix Drivers Association estar mais unidas do que nunca coloca a organização em boa posição para influir nas decisões tomadas pela FIA: “A GPDA está forte e verdadeiramente unida”, defendeu. “Esse é o nosso ponto mais forte neste momento. Teremos outra reunião em Abu Dhabi e, pelo que me foi dado a ver, os pilotos estão muito unidos e a puxar todos para o mesmo lado”, assegura Romain Grosjean.

“Não temos intenções políticas de qualquer índole. O que queremos é ter bons circuitos, carros seguros e boas regras. Tudo em prol do que consideramos ser os melhores interesses da categoria”, salientou o piloto e dirigente.

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.