Fórmula 3. Van Amersfoort iliba Circuito da Guia

O holandês Frits van Amersfoort, responsável pela equipa com a qual Sophia Flörsch disputou a edição de 2018 da Taça do Mundo de Fórmula 3, defendeu na terça-feira que as características do Circuito da Guia não podem ser responsabilizadas pelo horrorífico acidente protagonizado pela piloto alemã.

A jovem, de 17 anos, foi catapultada contra uma estrutura metálica depois de ter perdido o controlo do Dallara Mercedes com que competia. O carro de Flörsch tocou ligeiramente no monolugar do indiano

Jehan Daruvala e o toque esteve na origem da violenta sequência que deixou a piloto e quatro outras pessoas feridas.

O carro foi projectado para uma área onde estavam concentrados comissários de pista e fotógrafos, três dos quais foram hospitalizado depois de terem sido atingidos pela viatura.

Van Amersfoort não acredita, no entanto, que as características do Circuito da Guia tenham contribuído para amplificar a gravidade do despiste: “Não creio que o Circuito da Guia tenha sido responsável pelo acidente” disse Amersfoort em declarações ao portal Autosport.

“Reconheço que estarei um pouco receoso se regressarmos no próximo ano a Macau, mas este acidente poderia ter acontecido em qualquer outro lugar do mundo”, defendeu o patrão da Van Amersfoort Racing.

“Também competimos em Pau e a própria Fórmula 1 também compete em todo o tipo de circuitos urbanos. Macau é um circuito muito especial, toda a gente sabe disso”, sublinhou  Frits van Amersfoort.

“Se há contradição é no facto de que toda a gente está ao corrente do perigo que corre, mas são também muitos os que dizem que Macau é a mais bela pista do mundo e isso por vezes é estranho”, complementa o responsável.

Van Amersfoort admitiu que ficou “assustado” com a possibilidade do acidente ter sido causado por uma falha de natureza mecânica num dos seus carros: “Quando fomos informados de que a Sophia já não corria risco de vida, decidimos analisar o que aconteceu”, explica o responsável pela Van Amersfoort Racing. “No início, estávamos um tanto ou quanto assustados, até porque havia rumores de que os travões não teriam funcionado. Começamos por duvidar de nós próprios, mas no fim acabamos gradualmente por ficar a saber o que aconteceu”, admite o director técnico da equipa holandesa.

“Temos a tendência para desprezar as redes sociais, mas desta vez, graças às redes sociais, ficamos a saber muita coisa que, de outra forma, seria impossível saber”, admite Van Amersfoort.

“A FIA apropriou-se das imagens da câmara de bordo do carro da Sophia, bem como dos pilotos que conduziam perto dela e dali não podemos esperar grande ajuda. Só na terça-feira ficamos a saber ao certo o que aconteceu e só há uma conclusão passível de ser retirada: Meu Deus, todos tinham um anjo aos ombros, porque as consequências deste acidente poderiam ter sido muito, muito piores”, reconhece o patrão da Van Amersfoort Racing.

Sophia Flörsch sofreu uma fractura na espinha e foi na segunda-feira submetida a uma longa intervenção cirúrgica com o propósito de reparar uma vértebra e de retirar fragmentos de osso alojados junto à espinal medula da jovem de 17 anos.

Frits Van Amersfoort está confiante de que Flörsch se vai restabelecer por completo: “A monitorização do sistema nervoso mostra que as funções vitais associadas aos nervos não foram prejudicadas. Os sinais iniciais em relação à sua recuperação deixam a entender que tudo deverá correr bem”, adiantou Frits Van Amersfoort num comunicado de imprensa divulgado pela Van Amersfoort Racing.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.