Timor-Leste. Arte timorense e estrangeira no Festival Konsolidarte

A iniciativa arranca esta quarta-feira e reúne em vários espaços da capital timorense obras e performances de pintura, escultura, música, design ou fotografia. O objectivo do certame passa pela internacionalização da arte de Timor-Leste.

Obras de artistas timorenses e estrangeiros serão expostas a partir de quarta-feira em vários espaços de Díli no âmbito do Festival Internacional Konsolidarte, cujo objectivo final é a internacionalização da arte de Timor-Leste, anunciaram os responsáveis pelo evento.

A segunda edição do festival reúne obras de pintura, escultura, artes aplicadas, instalação e design, fotografia, arquitectura, arte digital, arte educação, artes visuais, dança, vídeo e música, com iniciativas de vários tipos e em vários locais.

Ricardo Gritto, curador e director de produção, explicou à Lusa que o Konsolidarte é um projecto de promoção e desenvolvimento da arte contemporânea timorense “num contexto de intercâmbio internacional de experiências e saberes no universo da arte, pintura, escultura, instalação e outras formas de expressão artística”.

O projecto centra-se na realização de exposições, eventos e intervenções artísticas colectivas, “fomentando a interacção e aprendizagem mútuas entre artistas nacionais e estrangeiros” e “tendo como objectivo final a internacionalização da arte timorense”.

A primeira edição decorreu em Maio de 2017, por ocasião do 15.º Aniversário da Restauração da Independência, sob o tema “independência”.

Três artistas do colectivo – os timorenses Xisto Soares e Tony Amaral e o português Ricardo Gritto – participaram em Julho no “Encontro em Macau – Festival de Artes e Cultura entre a China e os Países de Língua Portuguesa”.

A abertura do festival está prevista para quarta-feira no Centro Cultural da Embaixada de Portugal em Díli com uma exposição intitulada “Arte Moris – Activismo & Cultura artística de Resistência” e uma performance sonora do artista Etson Caminha.

O festival inclui a mostra “Diálogos Silenciosos”, de Xisto Soares, Tony Amaral e Ricardo Gritto (Na Embaixada de Portugal) e a exposição “Istoria By Feto ida mane ida no vero ida”, de João Barreto, no Xanana Reading Room, a partir de sexta-feira.

O café e restaurante Pau de Canela acolhe a partir de quinta-feira a exposição Museo The Xisto”, de Zito Soares, o Hotel Timor a mostra “Gold Meat Green” de Ricardo Dias, a partir de sábado e o Hostal Da Terra o “Arraial de São Chiapas”, a 29 de Novembro.

A Fundação Oriente acolhe a partir de 25 de Novembro a mostra de vídeo art “Electrik Dreams” e a exposição “Ascendências da Memória, de Evang Pereira.

 

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.