Capacidade de adaptação é o segredo do sucesso dos treinadores portugueses, defende Vítor Pereira

O técnico do Shanghai SIPG, que levou o clube da capital económica da China à conquista do primeiro grande título do seu palmarés, defendeu que a capacidade de adaptação dos treinadores lusos é o grande segredo do sucesso que conquistam além fronteiras.

O treinador português de futebol Vítor Pereira considerou esta segunda-feira a capacidade de adaptação uma das principais qualidades dos portugueses, “fundamental” para vencer na República Popular da China, onde se sagrou na semana passada campeão pelo Shanghai SIPG.

“Um dos segredos do treinador português é ter essa capacidade: chegamos a qualquer lado e adaptamo-nos”, afirmou à agência Lusa, poucos dias após se sagrar campeão, no primeiro ano na China.

Vítor Pereira, que em Dezembro de 2017 sucedeu a André Villas-Boas no comando do Shanghai SIPG, sagrou-se campeão logo na época de estreia na equipa de Xangai, tal como tinha acontecido em 2011, no FC Porto, depois de também ter substituído o compatriota.

“Mesmo em circunstâncias muito diferentes daquelas a que estamos habituados, rapidamente conseguimos perceber o meio, o que temos e as condições para atingir o sucesso. E temos visto muitos treinadores portugueses por esse mundo fora a dar cartas”, descreveu.

O título conquistado pelo Shanghai SIPG acabou com o domínio absoluto do Guangzhou Evergrande no campeonato chinês nos últimos sete anos.

Vítor Pereira, que se tornou o terceiro treinador luso a conquistar o título em três países, juntando-se a Artur Jorge e José Mourinho, considerou ainda que os portugueses podem dar um contributo para o desenvolvimento da modalidade na República Popular da China: “O futebol na China está a desenvolver-se muito depressa, eles querem rapidamente colocar a [seleção chinesa] no Campeonato do Mundo. Há muito trabalho para fazer e penso que podemos ajudar do ponto de vista táctico, estratégico, do entendimento do jogo ou cultura táctica. Nós portugueses temos uma boa formação”, disse.

O técnico lembrou ainda que “por cada título que se consegue ou cada trabalho bem feito, abrem-se portas” para mais treinadores portugueses: “Quando se chega a um país e se mostra competência, trabalho, esforço e dedicação, a seguir vão abrir-se mais portas, muitas vezes até para treinadores que têm menos visibilidade, que ninguém conhece, mas que estão a começar a carreira”, descreveu.

Quase uma centena de treinadores portugueses de futebol vivem, actualmente, no país asiático, desde a província de Jilin, na fronteira com a Coreia do Norte, até à ilha tropical de Hainan, no extremo sul do país.

Alguns são contratados por clubes e outros estão integrados no sistema de ensino público, que incluiu em 2015 a modalidade no desporto escolar, parte de um “plano de reforma do futebol” decretado pelo Governo, visando elevar a selecção chinesa ao estatuto de grande potência.

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.