Timor-Leste. Termo de identidade e residência para estudantes detidos em protesto

A decisão foi esta manhã tomada pelo Tribunal Judicial de Díli e tem por base as indicações dadas pela Polícia Nacional de Timor-Leste de que os alunos terão desrespeitado as condições definidas para o protesto. As detenções estão a ser contestadas nas redes sociais.

O Tribunal Distrital de Díli aplicou esta segunda-feira a medida de coacção de termo de identidade e residência a 22 jovens detidos na sexta-feira durante um protesto em frente ao Parlamento timorense, em que a polícia usou balas de borracha e gás lacrimogéneo para dispersar os manifestantes.

Os jovens, que foram apresentados ao juiz em Díli, são acusados de distúrbios durante o protesto, sobre o qual a polícia disse não terem sido cumpridos os requisitos da autorização dada para a manifestação, que definiam que os manifestantes se mantivessem a mais de 100 metros do Parlamento.

A intervenção da polícia ocorreu depois de vários dias de protestos organizados pelo Movimento Universitário de Timor-Leste (MULT) que contesta, como o fez no passado, a compra de viaturas para os deputados.

No protesto, os estudantes contestaram os leilões de veículos usados pelos deputados, a preços muito mais baixos do que o mercado, quando os parlamentares terminam o mandato.

Uma delegação do MUTL esteve na semana passada com o Presidente do Parlamento Nacional para apresentar a contestação à decisão de comprar quase meia centena de novas viaturas. Mais de três dezenas de antigos deputados, que terminaram os mandatos este ano, poderão adquirir as viaturas que usavam.

Apesar de alguns momentos de tensão, o protesto decorreu sem grandes incidentes, situação que mudou na sexta-feira, quando os estudantes se aproximaram mais do que os 100 metros permitidos do complexo do Parlamento, disse fonte policial.

O Parlamento situa-se em frente dos edifícios principais da Universidade Nacional Timor Lorosa’e (UNTL) e os manifestantes concentram-se num jardim próximo, ao lado da entrada do Arquivo e Museu da Resistência Timorense (AMRT), no centro de Díli.

O protesto foi contestado por alguns deputados por os estudantes usarem caixões e cruzes, simbolizando as usadas em lápides, com nomes de deputados e do presidente do Parlamento Nacional. A detenção dos jovens está a ser criticada nas redes sociais timorenses.

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.