Estados-membros da ASEAN assinam acordo para facilitar comércio electrónico

O acordo foi assinado esta manhã em Singapura e visa facilitar as transacções de comércio electrónico na região. Uma das questões em debate na reunião dos Estados-membros da organização tem sido a guerra comercial que separa Washington e Pequim.

 

Os ministros das Finanças dos Estados-membros da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) assinaram esta segunda-feira em Singapura um acordo que visa facilitar as transacções de comércio electrónico na região.

O acordo assinado tem como objetivo promover o comércio electrónico e a cooperação entre empresas e governos, que irá gerar transacções mais eficientes, defendeu durante a cerimónia de assinatura do acordo o ministro da Finanças da Singapura, Chan Chun Sing.

Numa reunião paralela, o primeiro-ministro de Singapura, Lee Hsien Loong, apelou a uma maior integração entre os países da região, num momento em que o multilateralismo está sob ameaça, como resultado de medidas proteccionistas implementadas por Washington e Pequim.

A guerra comercial é um dos principais temas das conversações da cimeira de líderes da ASEAN, que se realiza até quinta-feira, e que conta com a participação da Malásia, Indonésia, Brunei, Vietname, Camboja, Laos, Myanmar, Singapura, Tailândia e Filipinas. O Estados Unidos da América, a República Popular da China, a Rússia, o Japão ou a Coreia do Sul, estão entre os convidados desta reunião.

A ausência mais notada durante o Fórum Asiático será a do Presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, que será representado pelo vice-presidente Mike Pence.

O vice-Presidente vai ainda esta semana a uma cimeira da Cooperação Económica Ásia-Pacífico, na Papua Nova Guiné. Esta tarde, a líder da Birmânia (agora Myanmar) discursou durante uma reunião comercial.

A legislatura de Aung San Suu Kyi ficou até agora marcada pela ofensiva militar na zona oeste do país contra a minoria muçulmana Rohingya, que levou cerca de 723.000 membros da comunidade a fugirem para o Bangladesh, e pela estagnação das negociações de paz com as cerca de 20 guerrilhas formadas por outras minorias étnicas.

 

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.