Medicina Tradicional Chinesa. OMS defende padronização internacional de termos

A questão é debatida até ao final do dia de hoje no território, numa iniciativa que trouxe até Macau representantes da Organização Mundial de Saúde e de mais de uma dezena de países e regiões. Os participantes são unânimes em considerar que a padronização internacional dos termos associados à medicina tradicional chinesa é muito importante para abrir caminho para os mercados globais.

Especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS) defendem a padronização internacional dos termos da medicina tradicional chinesa como caminho para garantir os mercados globais, um negócio que valeu a Pequim 3.070 milhões de euros em exportações em 2017.

A padronização internacional dos termos desta medicina “é muito importante para promover a sua internacionalização” sendo esta a base para “integrar a medicina tradicional chinesa no sistema de serviços de saúde”, afirmou o director do Centro de Cooperação de Medicina tradicional da Organização Mundial de Saúde, Choi Peng Cheong, durante uma reunião em Macau de especialistas em termos técnicos no âmbito de medicina tradicional da OMS, citado esta quinta-feira em comunicado pelas autoridades do território.

Além da Organização Mundial de Saúde, estão reunidos neste evento, que termina esta sexta-feira, especialistas e académicos da República Popular da China, de Hong Kong, de Macau, dos Estados Unidos da América, do Canadá, do Reino Unido, da Alemanha, da Suíça, da África do Sul, da Austrália, de Singapura e da Tailândia, de acordo com a mesma nota.

“A padronização é fraca a nível internacional”, apontou Choi Peng Cheong.

Os especialistas e académicos estão a discutir “mais de 4.000 termos e definições internacionais padronizadas no âmbito de medicina tradicional chinesa”, sublinhou o chefe substituto do Serviço de Medicina Tradicional Complementar do Departamento de Funcionamento e Segurança dos Serviços de Saúde da OMS, Liu Wei.

A promoção da padronização internacional dos termos desta medicina tem de ser promovida de forma a permitir o crescimento da “produção, elaboração e disseminação” da medicina tradicional chinesa, sublinhou.

As exportações de artigos de medicina tradicional chinesa subiram em 2017 para as 358 mil toneladas, de acordo com a Câmara de Comércio da China para Importação e Exportação de Medicamentos e Produtos de Saúde.

Em 2017, a China vendeu 358 mil toneladas de produtos ligados à medicina tradicional chinesa, um aumento de 0,7 por cento em relação ao ano anterior.

O valor das exportações foi de 3,6 mil milhões de dólares (3,07 mil milhões de euros), um aumento de 2,1 por cento, de acordo com o mesmo organismo.

Em 2016, o comité central do Partido Comunista Chinês (PCC) e o Conselho de Estado lançaram um plano estratégico de saúde de longo prazo (2016-2030), alicerçado em torno da medicina tradicional chinesa, tendo apostado em Macau como plataforma para a promover junto dos países europeus e lusófonos.

 

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.