Índia. Poluição mata mais que o terrorismo, defende especialista

Siddhart Singh, que publicou recentemente a obra “The Great Smog of India”, lança o alerta. A poluição, defende, é um assassino silencioso que mata bem mais pessoas que o terrorismo ou que o braço-de-ferro que o país mantém com o Paquistão. Singh vai mais longe e acusa o Governo de Nova Deli de encarar a problemática com “desdém”.

O especialista em políticas climáticas Siddharth Singh, que acaba de publicar o livro “The Great Smog of Índia”, adverte que a poluição do ar é um “assassino silencioso” que mata mais pessoas do que o terrorismo no seu país.

“Mais pessoas morrem da poluição do ar do que do terrorismo ou de todas as guerras entre a Índia e o Paquistão juntas”, explicou o escritor em entrevista à agência espanhola Efe em Nova Deli. A capital indiana está frequentemente sob uma densa camada de poluição atmosférica e que é habitualmente confundida com um denso nevoeiro.

Singh culpa o desdém com que a questão é encarada pelas autoridades indianas, já que não são confrontadas com mortes “espectaculares”, agravando principalmente doenças preexistentes ou provocando outras mais tarde.

Além disso, os meios de comunicação social, os centros de pesquisa e os políticos colocam o foco da poluição na capital, mas a verdade é que “a qualidade do ar nas aldeias do norte da Índia é similar ou às vezes muito pior do que a das cidades”, defendeu.

O recurso a alguns métodos no sector da agricultura, a poluição provocada por veículos motorizados e a indústria são aqueles que mais contribuem para esta situação: “Embora as emissões industriais ‘per capita’ sejam muito baixas em comparação com a Europa e a base industrial da Índia também seja baixa em comparação com muitos países, a crise da poluição do ar na Índia é pior”, afirmou Singh, atribuindo esse resultado ao uso de tecnologias ineficientes.

A um nível mais amplo, o especialista defendeu que deve ser incentivado um debate público sobre se a Índia deve industrializar-se e converter-se num grande exportador como a República Popular da China ou, pelo contrário, se deve concentrar-se no sector dos serviços e apostar na produção doméstica.

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.