“Hotel Império” e “Diamantino” no alinhamento do Festival Internacional de Cinema

Os filmes, assinados por Ivo Ferreira e pela dupla Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt, respectivamente, integram o leque de mais de seis dezenas de filmes que serão projectados nas salas de cinema de Macau entre 8 e 14 de Dezembro. O festival abre a 8 de Dezembro, com a exibição de “Green Book”, o filme que venceu o Grande Prémio do Público na edição de 2018 do Festival Internacional de Cinema de Toronto.

Os filmes “Diamantino”, de Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt, e “Hotel Império”, de Ivo Ferreira, vão ser exibidos no Festival Internacional de Cinema de Macau, que regressa em Dezembro com uma secção dedicada ao cinema chinês emergente.

Mais de 50 filmes internacionais e 14 produções locais compõem o cartaz da terceira edição, divulgado esta quinta-feira, na íntegra, em conferência de imprensa.

Distinguido em Maio com o Grande Prémio da Semana da Crítica de Cannes, “Diamantino” – a primeira longa-metragem de ficção de Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt – será exibido na secção não competitiva de filmes “Flying Dagger”.

“Hotel Império”, do realizador Ivo Ferreira, regressa ao grande palco das filmagens, onde será exibido pela primeira vez, depois da estreia mundial em Pingyao, no nordeste da República Popular da China.

Em competição correm onze filmes de três continentes. A secção volta a apostar no mesmo princípio de anos anteriores, sublinhou a directora dos Serviços de Turismo de Macau: “A competição é uma plataforma para novos realizadores. Tem de ser o primeiro ou segundo filme”, disse aos jornalistas Maria Helena de Senna Fernandes.

A novidade do ano é a secção “novo cinema chinês”, com seis filmes dedicados à língua chinesa. É a grande aposta “para reforçar a programação do festival”, destacou Senna Fernandes: “O mundo da língua chinesa é uma cultura vibrante”, completou o director artístico do festival, Mike Goodridge. Filmes do interior da China, de Taiwan e até mesmo da Malásia integram a nova secção.

Para o diretor artístico, Macau é o local “mais cinematográfico do mundo”.

Apesar das novidades, a “fórmula repete-se”, frisou Goodridge, referindo-se “ao melhor alinhamento possível”. O britânico deu ênfase a vários filmes recentes, alguns exibidos apenas nos festivais de Veneza ou Toronto.

“Green Book”, o filme que abre o festival no dia 8 de Dezembro, venceu o Grande Prémio do Público no festival de Toronto. Destaque também para os filmes “Roma” (EUA/México) e “U-July 22(Noruega), na secção não competitiva “Best of Fest Panorama”. O primeiro, de Alfonso Cuarón, foi o primeiro da Netflix a vencer um dos principais prémios de cinema: o Leão de Ouro do Festival de Veneza. O segundo, de Erik Poppe, foi nomeado para o Urso de Ouro, em Berlim.

Presente no festival vai estar o actor Nicolas Cage, designado embaixador do terceiro festival internacional de cinema de Macau (IFFAM, na sigla em inglês).

A terceira edição realiza-se entre os dias 8 e 14 de Dezembro.

Em 2017, o filme “Hunting Season”, da realizadora argentina Natalia Garagiola, ganhou o prémio de melhor filme do segundo festival internacional de cinema de Macau, e o francês Xavier Legrand conquistou a distinção de melhor realizador com “Custody”, um ‘thriller’ sobre terrorismo doméstico.

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.