ONU. China questionada sobre campos de reeducação e direitos humanos

Uma delegação liderada pelo vice-ministro dos Negócios Estrangeiros da República Popular da China, Le Yucheng, foi ontem confrontada em Genebra sobre o tratamento que Pequim inflige às minorias uigur e tibetana. Os membros da comitiva chinesa rejeitaram a maioria das acusações.

A República Popular da China foi confrontada esta terça-feira com fortes críticas na Organização das Nações Unidas sobre as suas violações de direitos humanos e o tratamento infligido às minorias étnicas, em particular os muçulmanos uigures e os tibetanos.

Durante todo o dia, a delegação oficial chinesa, dirigida pelo vice-ministro dos Negócios Estrangeiros, Le Yucheng, foi questionada em Genebra no decurso do Exame periódico universal (EPU) previsto para os 193 Estados-membros das Nações Unidas, que devem apresentar de quatro em quatro anos um balanço dos direitos humanos no seu país e informar sobre as alterações que ocorreram desde a última intervenção.

De acordo com as estimativas divulgadas em Agosto por um grupo de peritos da ONU, cerca de um milhão de uigures e outros membros de etnias chinesas de língua turca estão ou estiveram detidos em campos de reeducação na região autónoma de Xinjiang (noroeste do país), de maioria muçulmana: “Estamos alarmados pela crescente repressão das autoridades chinesas contra os uigures, os cazaques e outros muçulmanos de Xinjiang”, declarou a encarregada de negócios norte-americana Mark Cassayre na sala do Conselho dos direitos humanos, apoiada nos seus protestos pelo embaixador de França, François Rivasseau.

Os membros da delegação chinesa, presentes em grande número, rejeitaram a maioria das acusações, com o vice-ministro Le Yucheng a denunciar “acusações políticas provenientes de alguns países cheios de preconceitos”.

A política de Pequim foi reiterada em relação às fortes medidas de segurança em Xinjiang, justificadas pelo combate ao extremismo e terrorismo, e que não visam qualquer grupo em particular.

As autoridades chinesas negaram durante muito tempo a existência de campos de internamento, mas com a publicação de imagens de satélite e de documentos oficiais na Internet que denunciavam a sua existência, referiram-se a centros educativos que ensinavam a língua chinesa, o desporto ou a dança folclórica para combater o extremismo religioso.

Os atentados atribuídos a Pequim aos separatistas ou extremistas uigures provocaram centenas de mortos nos últimos anos. As autoridades têm manifestado apreensão pelo reforço do islamismo radical, numa região onde metade dos 24 milhões de habitantes são de confissão muçulmana.

Para além de Xinjiang, também foram examinados outros aspectos do balanço chinês sobre os direitos humanos.

A repressão das vozes dissidentes reforçou-se na República Popular da China desde a chegada ao poder do Presidente Xi Jinping em 2012, com o aumento dos meios de vigilância digitais.

Em Julho de 2017, o dissidente e prémio Nobel da paz, Liu Xiaobo, morreu na prisão de um cancro no fígado. A delegação chinesa desmentiu qualquer repressão sobre os direitos civis na China e optou por sublinhar os progressos no combate contra a pobreza.

 

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.