Sérgio de Almeida Correia abre mão de candidatura à AAM

Fotografia: Macau Daily Times

O causídico justifica a decisão por considerar que se gerou “um clima de receio” em torno da candidatura que apresentou à liderança da Associação dos Advogados de Macau. Almeida Correia considera que Neto Valente desencadeou um conjunto de acções com o propósito de desacreditar a candidatura pela qual deu a cara.

Sérgio Almeida Correia anunciou esta terça-feira em comunicado a intenção de não formalizar a candidatura à Associação de Advogados de Macau (AAM) por se ter gerado “um clima de receio” sobre as suas motivações.

O advogado – que tinha anunciado o seu programa eleitoral e apresentado as linhas gerais da sua candidatura a vários meios de comunicação social do território – fundamenta a sua decisão no facto do actual presidente e único candidato à AAM, Jorge Neto Valente, ter desencadeado “um conjunto de acções” destinadas a desacreditá-lo, “o que gerou um clima de receio relativamente às intenções” da sua candidatura.

“Ciente de que não faz sentido vencer com uma lista amputada da colaboração de colegas que estimo, e que trabalham em escritórios que, no seu conjunto, representam cerca de uma centena de advogados que, por razões várias, se viram impedidos de participar, considero não haver condições que permitam levar avante um projecto amplo de participação que melhor servisse a AAM e a RAEM [Região Administrativa Especial de Macau]”.

No comunicado que enviou às redacções, Almeida Correia critica ainda a falta de renovação na liderança da Associação de Advogados, defendendo que a perpetuação de Neto Valente à frente dos destinos da AAM rouba discernimento ao organismo: “A eternização no poder fragiliza as instituições. Retira-lhes voz e discernimento. A falta de renovação da AAM segmentou e dividiu a classe. Não há advogados de primeira e de segunda. Não há portugueses e chineses. Há apenas advogados”, escreveu o causídico na nota de imprensa em que anuncia a decisão de abrir mão da corrida à liderança da Associação.

Sérgio Almeida Correia, que se assumia como um candidato de ruptura, disse na segunda-feira à agência Lusa estar preocupado com excessos securitários protagonizados pelas autoridades do território e afirmou a sua convicção de que “há um grupo de pessoas em Macau, talvez pela vontade de mostrar serviço a Pequim, que tem procurado manter ou assumir posições de poder, transmitindo a ideia errada” à China.

O advogado afirmou então que estava na altura na altura de combater “a divisão entre os advogados” e apelou a uma maior transparência sobre o papel que cabe à associação na escolha do chefe do Governo de Macau.

As eleições para a Associação dos Advogados de Macau, que integra cerca de 400 advogados, um quarto deles portugueses, está agendada para Dezembro, mas apenas Jorge Neto Valente, o actual presidente, formalizou a sua candidatura.

 

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.