Multinacionais assinam acordo para reduzir utilização do plástico

Assinado, entre outras pela Coca Cola e pela Danone, o memorando é visto como pouco ambicioso por parte de várias organizações não governamentais. O acordo foi assinado no âmbito da cimeira “Our Ocean”, que decorre até amanhã em Bali.

Dezenas de multinacionais, como a Coca-Cola, a Danone e a Inditex, assinaram esta segunda-feira, na Indonésia, um acordo para reduzir o uso do plástico e fomentar a sua reciclagem, uma medida que os ecologistas consideram pouco ambiciosa.

O acordo foi assinado na cimeira “Nosso Oceano”, que ontem arrancou em Bali, na presença do Presidente indonésio, Joko Widodo, e do ex-Secretário de Estados norte-americano, John Kerry.

O convénio “Compromisso global para a nova economia de plásticos” foi subscrito por 250 entidades, incluindo governos, organizações não-governamentais e empresas (nomeadamente as que produzem 20 por cento dos plásticos das embalagens).

Trata-se de uma iniciativa da Fundação MacArthur, nos Estados Unidos da América, em colaboração com a Organização das Nações Unidas Meio Ambiente, que visa acabar com os plásticos “problemáticos e desnecessários” e pretende que em 2025 cem por cento das embalagens sejam reutilizáveis, recicladas ou orgânicas.

Apesar de o Fundo Mundial para a Natureza apoiar a iniciativa, o acordo foi considerado pouco ambicioso por outras organizações ambientalistas, como a Oceana, que acusa as empresas de se recusarem a pôr um fim efectivo ao uso do plástico e a encontrar alternativas. No entender da Oceana, o mundo deve deixar de utilizar produtos feitos em plástico, como garrafas, sacos, recipientes ou palhinhas.

A cimeira “Nosso Oceano”, que decorre até amanhã na ilha indonésia de Bali, pretende, entre outras metas, diligenciar medidas contra a contaminação dos oceanos. O encontro reúne chefes de Estado e ministros de vários países, além de mais de dois mil delegados.

A Organização das Nações Unidas estimam que anualmente cerca de oito toneladas de plástico vão parar aos oceanos, sendo que, frequentemente, muito do plástico é ingerido pelos animais marinhos, passando a fazer parte da cadeia alimentar das pessoas.

A perpetuar-se esta tendência, haverá mais plástico do que peixes em 2050, vaticina a ONU.

 

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.