Filipinas detidas na Arábia Saudita em festa de “Halloween”

As mulheres foram detidas na última sexta-feira depois da polícia de costumes do Reino Saudita ter invadido o local onde a festa decorria. O embaixador filipino em Riade pediu para ter acesso às detidas, mas o pedido foi ignorado pelo Executivo wahabita.

Dezassete cidadãs filipinas que se encontravam numa festa de ‘Halloween’ em Riade, na Arábia Saudita, estão detidas desde sexta-feira, informou o Ministério dos Negócios Estrangeiros das Filipinas em comunicado.

O embaixador filipino na capital do reino wahabita, Adnan Alonto, enviou um relatório dirigido às entidades do seu país no qual informou que um grupo de agentes da polícia de costumes saudita entrou num local na capital onde decorria uma festa de ‘Halloween’, a celebração norte-americana do Dia das Bruxas.

O embaixador pediu para ter acesso às detidas na prisão de Al Nisa, em Riade, mas não terá recebido qualquer resposta, nem informações precisas sobre as acusações que pendem sobre as mulheres.

Inicialmente, as autoridades informaram que os organizadores da festa não tinham as autorizações necessárias, mas os responsáveis da Embaixada receiam que as acusações estejam relacionadas com o facto de se encontrarem mulheres e homens solteiros na festa: “As leis da Arábia Saudita proíbem estritamente homens e mulheres solteiros de serem vistos juntos em público”, pode ler-se no comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros das Filipinas.

Este episódio levou a embaixada em Riade a emitir um alerta à comunidade filipina no país, pedindo que esta “leve em conta as sensibilidades locais”. Ao mesmo tempo, apelaram aos trabalhadores filipinos que se encontram no Médio Oriente que respeitem as tradições locais e as leis dos países anfitriões.

De acordo com dados das autoridades filipinas, cerca de três mil filipinos abandonam todos os dias o país, muitos deles rumo a países árabes, onde as mulheres tendem a trabalhar como trabalhadoras domésticas e os homens no sector da construção.

Cerca de dez milhões são trabalhadores migrantes no exterior e o envio de suas remessas representou 10,46 por cento do PIB filipino em 2017, de acordo com o Banco Mundial.

 

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.