Zheng Xiaosong era “honesto e íntegro”, assegura Gabinete de Ligação

A garantia foi este domingo dada pelo Gabinete de Ligação do Governo Central em Macau, mais de uma semana depois do Director do organismo ter alegadamente cometido suicídio. A nota de pesar hoje divulgada terá tido por objectivo aplacar eventuais rumores em torno da morte de Zheng e que davam conta de que o responsável estaria a ser alvo de uma investigação por corrupção.

As autoridades de Pequim elogiaram este domingo a integridade do antigo Director do Gabinete de Ligação do Governo Central em Macau, definindo Zheng Xiaosong como um “excelente membro” do Partido Comunista. Num obituário publicado este domingo, mais de uma semana depois do responsável ter alegadamente cometido suicídio, o Gabinete de Ligação do Governo Central na RAEM define Zheng como “honesto e íntegro”, dirimindo a especulação em torno a uma eventual investigação por corrupção de que Zheng poderia estar a ser alvo: “Em funções desde Setembro de 2017 … o camarada Zheng sempre trabalhou de forma altruísta, apesar de estar a batalhar a doença, e contribuiu para a afirmação do princípio “Um País, Dois Sistemas”, sublinha o organismo na nota de pesar este domingo divulgada.

O obituário não faz referência à causa da morte de Zheng Xiaosong nem à doença que poderá ter estado na sua origem. Horas depois do responsável político ter supostamente cometido suicídio, o Gabinete para os Assuntos de Macau e de Hong Kong do Conselho de Estado adiantou que Zheng “sofria de depressão”.

Na nota de pesar hoje divulgada, o Gabinete de Ligação esclarece que não será organizado qualquer memorial público, em linha com as directrizes do Governo Central e a vontade da família do antigo director do organismo.

Os restos mortais de Zheng vão ser cremados e as suas cinzas depositadas no Cemitério Revolucionário de Babaoshan, local escolhida para a última morada de funcionários e membros notáveis do Partido Comunista Chinês.

A Polícia Judiciária assegurou que não encontrou qualquer carta ou mensagem no corpo ou no apartamento em que Zheng Xiaosong residia e afastou circunstâncias que pudessem indiciar a eventual existência de crime.

Bruce Lui Ping-kuen, jornalista e docente da Universidade Baptista de Hong Kong, defendeu, em declarações ao jornal South China Morning Post, que o obituário este domingo divulgado tem por propósito aplacar a especulação em torno da morte do director do Gabinete de Ligação, ainda que o organismo não esclareça se Zheng estava ou não a ser alvo de um processo de investigação: “A morte de Zheng surgiu numa altura pouco propícia, uma vez que o presidente Xi Jinping visitou Guangdong e apadrinhou a abertura da Ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau. A morte suscitou algum falatório mesmo no seio do campo pró-Pequim, sustenta Lui.

O veterano jornalista considera também “estranha” a decisão de não conduzir um memorial: “Para um funcionário numa posição tão elevada, a decisão de não organizar uma cerimónia pública é no mínimo estranha”, defende o também professor da Universidade Baptista de Hong Kong. “É verdade que na tradição chinesa, a família pode evitar este tipo de cerimónia no caso de suicídio, mas se o Partido fizer questão que uma cerimónia pública seja organizada, encontra forma de a organizar”, remata Bruce Lui.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.