Líder do PCTP/MRPP quer nome de Edgar Cardoso na Ponte do Delta

Arnaldo de Matos assegura que o engenheiro civil português foi o primeiro a equacionar uma ligação rodoviária por mar entre Macau e Hong Kong e defende que Portugal e o território devem sugerir a Pequim que a Travessia do Delta seja baptizada com o nome de Edgar Cardoso. O líder do PCTP/MRPP quer ainda que o antigo presidente da República de Portugal, António Ramalho Eanes, patrocine a causa.

O líder histórico do Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses/Movimento Reorganizativo do Partido do Proletariado (PCTP/MRPP), Arnaldo de Matos, defendeu na sua conta pessoal na rede social Twitter que o Governo português deve unir esforços com o Executivo do território com o objectivo de sensibilizar a República Popular da China a baptizar a Ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau com o nome do engenheiro Edgar Cardoso.

Matos, que cumpriu parte do serviço militar na ilha de Coloane como alferes da Companhia de Caçadores 366, justifica a sugestão com um episódio de que foi testemunha há mais de meio século: “Em 1963, estava eu aquartelado na ilha de Coloane, no território de Macau, na foz do Rio das Pérolas, como alferes da Companhia de Caçadores 366, quando recebemos para almoçar o Engº Edgar Cardoso, vindo de Lisboa para projectar a ponte que hoje liga Macau à ilha da Taipa”, revelou Arnaldo Matos no Twitter, referindo-se à mais antiga das ligações entre a península e as ilhas, a Ponte Nobre de Carvalho.

O líder histórico do PCTP/MRPP assegura que durante o almço, o engenheiro civil – um dos mais notáveis construtores de pontes de Portugal – terá sugerido, com vinte anos de avanço, a construção de uma ligação rodoviária entre Macau e Hong Kong: “Ao almoço, mestre Edgar Cardoso expôs-nos o seu sonho de uma ponte que unisse Macau, colónia portuguesa, a Hong Kong, colónia inglesa. Passados 55 anos, lá está a ponte sonhada por Edgar Cardoso, mas não projectada nem construída por ele”, complementa Arnaldo de Matos.

“Acho que, mesmo assim, deveria chamar-se Ponte Edgar Cardoso. Será que os governos de Macau e de Lisboa seriam capazes de lutar por esta causa? Edgar Cardoso deixou obra na República Popular da China e era aí suficientemente estimado, para que o seu nome não motive repúdio”, defende o líder do Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses, formação política de inspiração maoísta e ideologicamente próxima da visão do socialismo defendida pela China.

Arnaldo de Matos revela ainda que no almoço de que dá conta na rede social Twitter marcou presença o então capitão do Exército português e futuro Presidente da República António Ramalho Eanes e arrisca uma questão: “Será que se atreve a patrocinar esta causa?”

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.