A Guerra que aí vem. Ex-militar norte-americano antevê conflito com a China

Ben Hodges, antigo responsável pelas forças militares norte-americanas aquarteladas na Europa, considerou esta quarta-feira provável que os Estados Unidos e a China estejam em guerra dentro de 15 anos. Hodges diz que os países europeus terão que fazer mais para garantirem a sua própria defesa face ao crescimento da Rússia.

O antigo comandante das forças militares dos Estados Unidos da América (EUA) na Europa admitiu, na quarta-feira, que é muito provável que Washington e Pequim estejam em guerra dentro de 15 anos.

Já reformado, o tenente-general Ben Hodges afirmou que os aliados europeus terão de fazer mais para garantirem a sua própria defesa, perante uma ressurgente Rússia, porque os Estados Unidos da América vão precisar de dar mais atenção à defesa dos seus interesses no Pacífico.

“Os EUA precisam de um pilar europeu muito forte. Penso que dentro de 15 anos – o que não é inevitável –, é muito provável que estejamos em guerra com a China”, declarou Ben Hodges, numa sala cheia durante o Fórum de Segurança de Varsóvia, um encontro de líderes e analistas políticos e militares da Europa Central.

“Os Estados Unidos da América não têm a capacidade para fazer tudo o que têm de fazer na Europa e no Pacífico para lidarem com a ameaça chinesa”, disse Hodges.

Este militar norte-americano chefiou as forças dos EUA na Europa entre 2014 e o ano passado. Agora, é analista de estratégia no Centro de Análise da Política Europeia (Center for European Policy Analysis), um instituto de investigação baseado em Washington.

Apesar da mudança de prioridades geopolíticas, Ben Hodges considerou que o compromisso dos Estados Unidos da América com a NATO é “inabalável”, apesar das declarações de Trump.

Hodges disse à The Associated Press que um recente quase choque entre um ‘destroyer’ norte-americano e um vaso de guerra chinês foi apenas um sinal que aponta para “uma relação crescentemente tensa e uma concorrência cada vez mais forte em todos os domínios”.

Outros sinais são “os constantes roubos de tecnologia” por parte da China e a forma como Pequim está a ganhar o controlo das infra-estruturas através do financiamento de projectos em África e na Europa, acrescentou, detalhando que na Europa a China já possui mais de 10 por cento dos portos.

 

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.