Nova ponte pode constituir um desafio, alerta Pansy Ho

A empresária defendeu hoje que a Ponte do Delta traz vantagens, mas também desafios ao território. A directora executiva da MGM Macau alertou para a necessidade do Governo promover uma diversificação efectiva da economia do território, ainda demasiado dependente da indústria do jogo.

A empresária Pansy Ho avisou esta terça-feira que o território pode ficar a perder no sector do turismo com a mega ponte hoje inaugurada, se não tiver capacidade para diversificar a sua oferta tradicional, ainda muito focada na indústria do jogo.

Falando na qualidade de secretária-geral do Fórum de Economia de Turismo Global, Pansy Ho, que a construção da nova ponte constitui um desafio para o território: “Com a ponte, temos a hipótese de diversificar o turismo, mas pode ser crítico e podemos perder se não o conseguirmos fazer”, afirmou Pansy Ho, à da edição de 2018 do Fórum. A iniciativa traz até Macau mais de um milhar de participantes.

A maior travessia marítima do mundo que liga Macau, Hong Kong e Zhuhai, hoje inaugurada pelo Presidente chinês, é considerada uma infra-estrutura fundamental para a edificação do projecto da Grande Baía que visa criar uma metrópole mundial a partir das regiões administrativas especiais e nove localidades da província de Guangdon.

“Não temos que nos preocupar apenas com a quantidade de turistas” e com a capacidade de Macau em os acolher, mas com a mudança de paradigma a partir do momento que existe a travessia, explicou Pansy Ho: “Tudo fica mais perto” e vai ser possível visitar Macau por impulso, “para jantar e regressar a casa na mesma noite”, mas esta é uma situação da qual os outros territórios agora ligados também podem beneficiar, sublinhou.

Sócia de uma das concessionárias do jogo no território – a MGM China – a vice-presidente e secretária-geral do Fórum de Economia de Turismo Global salientou que “Macau está bem, mas precisa de fazer mais”, alertando para “os picos” da procura turística e para a necessidade de apostar na diversificação do setor.

Recorde-se que na segunda-feira foi divulgado o relatório anual das cidades do Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC, na sigla em inglês), no qual se indica que a Região Administrativa Especial de Macau foi a segunda que mais cresceu em 2017, com um contributo do turismo para o PIB na ordem dos 14,2 por cento.

Entre as 72 cidades turísticas mais importantes do mundo, Macau ficou atrás do Cairo, capital do Egito, que registou 34,4 por cento da contribuição do sector do turismo para o PIB.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.