Está inaugurada, a mãe de todas as pontes

Xi Jinping decretou esta manhã, em Zhuhai, aberta a Ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau, ao fim de nove anos de obras marcadas por contratempos vários. Carrie Lam agradeceu ao Presidente chinês por ter inaugurado a travessia e Chui Sai On definiu a estrutura como “um contributo para o enriquecimento e desenvolvimento teórico e prático” do princípio “Um País, Dois Sistemas”.

Ao fim de quase uma década, o Presidente da República Popular daChina, Xi Jinping, inaugurou esta manhã a ponte que liga Hong Kong, Zhuhai e Macau, considerada a maior travessia marítima do mundo.

“Eu abro oficialmente a ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau”, declarou o chefe de Estado chinês, numa curta intervenção durante a cerimónia de inauguração da ponte, na cidade continental de Zhuhai.

Antes do discurso de Xi Jinping, a chefe do Executivo da vizinha Região Administrativa Especial de Hong Kong, Carrie Lam, teceu palavras de agradecimento ao líder chinês por ter inaugurado a travessia.

Na presença de mais de sete centenas de convidados, o vice-primeiro ministro da China sublinhou que esta mega infra-estrutura vai possibilitar mais actividades comerciais e a aproximação económica entre o Continente e a antiga colónia britânica.

Na segunda-feira, o chefe do Executivo, Fernando Chui Sai On, tinha deixado claro que o território “vê com bons olhos a abertura oficial da ponte e congratula-se pela conclusão da obra”. A abertura à circulação da estrutura está marcada para quarta-feira.

Fernando Chui Sai On indicou ainda que Macau está preparado “para a abertura oficial da ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau” em termos de segurança e transportes.

A ponte é um marco incontornável do projecto de integração regional da Grande Baía, que visa criar uma metrópole mundial, capaz de concorrer a nível económico com Tóquio e com São Francisco, a partir dos territórios de Hong Kong, Macau e de nove localidades da província chinesa de Guangdong.

A estrutura principal mede 29,6 quilómetros, com uma secção em ponte de 22,9 quilómetros e um túnel subaquático de 6,7 quilómetros, numa extensão total de 55 quilómetros. A construção começou em 2009 e previa-se que abrisse ao trânsito em 2016, mas vários problemas, como acidentes de trabalho, uma investigação de corrupção, obstáculos técnicos e derrapagens orçamentais obrigaram a um adiamento da inauguração.

A ponte, que não vai ser de livre circulação e está sujeita a quotas, custou aos três governos cerca de 1,9 mil milhões de euros, de acordo com o jornal South China Morning Post. Vários observadores consideraram que o objectivo desta ponte, assim como de uma nova linha ferroviária de alta velocidade para o interior da China inaugurada a 22 de Setembro, é aumentar o controlo que a República Popular da China tem sob Hong Kong, que tal como Macau, goza de autonomia alargada de liberdade de expressão e poder judicial independente.

A nova linha ferroviária de alta velocidade para o interior da China vai reduzir consideravelmente o tempo de viagem entre os dois territórios, sendo que parte da estação, situada em Hong Kong, fica sob jurisdição chinesa.

As novas infra-estruturas custaram cerca de 10 mil milhões de dólares e as autoridades estimaram que a capacidade de transporte diário é superior a 80 mil passageiros entre o centro financeiro asiático de sete milhões de habitantes e o centro industrial vizinho da província de Guangdong.

O comboio vai de Hong Kong para Shenzhen em apenas 14 minutos, sendo que o anterior demorava quase uma hora a percorrer os 26 quilómetros que separam os dois territórios. Já para a capital de Guangdong, Cantão, os passageiros vão demorar pouco mais de meia hora, cerca de 90 minutos mais rápido que o anterior.

A transferência da soberania britânica de Hong Kong para a República Popular da China ocorreu a 1 de Julho de 1997. Pequim garantiu, tal como em Macau, o princípio “um país, dois sistemas” e um período de transição de 50 anos.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.