Sulawesi. Setenta crianças entre os desaparecidos

O tsunami que a 28 de Setembro devastou o centro de Sulawesi deixou oficialmente 680 desaparecidos e, entre eles, setenta crianças. Uma organização não governamental que se encontra a trabalhar no terreno alertou esta sexta-feira para a vulnerabilidade a que os menores estão sujeitos, nomeadamente no que diz respeito a questões como o tráfico de pessoas ou o abuso sexual.

Pelo menos 70 crianças continuam desaparecidas na Indonésia na sequência do sismo e tsunami que abalou a ilha de Sulawesi a 28 de Setembro.

O número oficial de desaparecidos é de 680, mas organizações internacionais estimam que cerca de 5.000 pessoas possam estar sob os escombros nas áreas mais afectadas, onde já foram dadas como concluídas as operações de resgate.

Uma organização não-governamental no terreno e a Comissão para a Protecção das Crianças da Indonésia (KPRAI) alertaram para a vulnerabilidade de menores ao tráfico de pessoas, ao abuso sexual e à perda de bens na ausência de documentos de identidade.

A organização “Save The Children” tem realizado trabalho de assistência alimentar e psicológica na província de Sulawesi Central, bem como conduzido formação para voluntários e professores visando a protecção de crianças.

Para evitar a propagação de doenças, o território já procedeu, na quinta-feira, à desinfestação nas cidades onde foram encontrados mais mortos, através da pulverização de substâncias desinfectantes por helicópteros.

De acordo com os últimos dados oficiais, os desastres naturais causaram a morte de 2.103 pessoas e deixou 4.612 gravemente feridas, o que faz desta a pior catástrofe natural na Indonésia desde o tsunami que abalou drasticamente a província de Aceh, em 2004.

No domingo, o Banco Mundial ofereceu até mil milhões de dólares às autoridades indonésias para ajudar na reconstrução do país, afectado por vários sismos em 2018.

A Indonésia situa-se no chamado “Anel de Fogo do Pacífico”, uma área de grande atividade sísmica e vulcânica.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.