Xinjiang. Dirigente chinês defende que religião deve ser “achinesada”

O director do Departamento da Frente Unida de Trabalho do Comité Central do PCC, You Quan, defendeu no fim-de-semana, durante uma vista a Xinjiang que o Governo deve continuar a achinesar a religião. O responsável garantiu que os esforços de doutrinação política promovidos pelo Partido Comunista são para manter.

 

Um alto quadro chinês defendeu este fim-de-semana que as autoridades devem manter os esforços para “achinesar” a religião, durante uma visita ao extremo noroeste do país, onde a minoria muçulmana está a ser forçada a doutrinação política.

You Quan, director do Departamento da Frente Unida de Trabalho do Comité Central do PCC, que está encarregue de supervisionar os assuntos étnicos e religiosos, fez as afirmações durante uma visita à Região Autónoma de Xinjiang.

Várias organizações estrangeiras têm denunciado, nos últimos meses, o internamento “massivo” e “arbitrário”, na região, de até um milhão ou mais de membros da minoria étnica chinesa de origem muçulmana uígure em campos onde são forçados a criticar o Islão e a própria cultura, a aprender mandarim e a jurar lealdade ao Partido Comunista Chinês.

Pequim argumenta que os “centros de educação vocacional” são necessários para ajudar “os que foram enganados pelo extremismo religioso (…) através do reassentamento e educação”.

Citado pela agência noticiosa oficial Xinhua, You defendeu que “a liderança do Partido sobre o trabalho religioso deve ser mantida” e apelou ao combate “contra a infiltração do extremismo religioso”.

De acordo com organizações de defesa dos direitos humanos, o internamento dos uígures ocorre sem direito a julgamento, nem acesso a advogados e familiares. As detenções podem ocorrer sob acusações como aceder a portais estrangeiros ou contactar familiares além-fronteiras.

Em 2009, a capital do Xinjiang, Urumqi, foi palco dos mais violentos conflitos étnicos registados nas últimas décadas na China, entre os uígures e a maioria han, predominante em cargos de poder político e empresarial regional.

Desde então, as autoridades lançaram uma campanha repressiva, que foi reforçada a partir de 2016, quando o secretário do Partido Comunista Chinês (PCC), Chen Quanguo, foi transferido para a região, após vários anos no Tibete.

 

 

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.