Papa canoniza Óscar Romero e o papa Paulo VI

Fotografia: Óscar Romero foi um dos sete novos santos hoje proclamados pelo Papa Francisco.

O Papa Francisco criou este domingo sete novos santos, entre os quais constam o arcebispo salvadorenho Oscar Romero e o papa Paulo VI. Adepto da teologia da libertação, Romero foi assassinado durante uma missa por um comando da extrema direita. Reformista, Paulo VI foi o papa que encerrou o concílio Vaticano II.

O papa Francisco canonizou este domingo o arcebispo salvadorenho Oscar Romero, assassinado em 1980. Também o papa italiano Paulo VI ascendeu ao estatuto de santo numa cerimónia na praça de São Pedro no Vaticano.

Francisco pronunciou a tradicional fórmula em latim para proclamar a santidade diante de dezenas de milhares de fieis, entre os quais numerosos salvadorenhos: “Declaramos santos os beatos Paulo VI, Oscar Arnulfo Romero Galdámez (…)”, disse o papa, que decretou que “eles devem ser venerados como tais por toda a igreja”.

Foram igualmente canonizadas as freiras Nazaria de Santa Teresa de Jesus March, espanhola, e Maria Catalina Kasper, alemã, os padres italianos Francesco Spinelli e Vincenzo Romano e o laico italiano Nunzio Sulprizio.

Descrito como um homem simples e próximo do povo, Oscar Romero, nascido em 1917, foi defensor dos camponeses sem terra, provocando a cólera dos sectores mais conservadores de El Salvador.

Apelidado ‘a voz dos sem voz’, era –mesmo não sendo teólogo, adepto da teologia da libertação – uma corrente nascida na América Latina. Foi assassinado durante uma missa por um comando da extrema-direita a 24 de Março de 1980, no início de uma guerra civil (1980-1992) que fez cerca de 75 mil mortos e sete mil desaparecidos.

Paulo VI, nascido Giovanni Battista Montini em 1897, foi papa entre 1963 e 1978 e concluiu o Concílio Vaticano II, iniciado pelo seu predecessor João XXIII, considerado uma importante adaptação da Igreja Católica ao mundo moderno.

Foi beatificado em Cutubro de 2014 e é lembrado como o papa que disse “não” à pílula contraceptiva em 1968, suscitando reacções muito negativas, até no seio da Igreja. O papa cita frequentemente os escritos de Paulo VI e os dois têm em comum uma vontade de reformar a cúria romana.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.