Índia. Um quinto das crianças com menos de cinco anos sofrem de desnutrição aguda

O dado é um dos mais significativos da edição de 2018 do Índice Global da Fome, ontem revelado. A Índia, adiantou o Fundo Monetário Internacional, é a economia que mais vai crescer este ano. A economia indiana deve crescer 7,3 por cento este ano, de acordo com o FMI.

Quase 20 por cento das crianças indianas com menos de 5 anos sofrem de desnutrição aguda e um total de 821 milhões de pessoas passam fome no mundo, de acordo com as conclusões mais recentes do Índice Global da Fome (GHI, sigla em inglês, divulgado na quinta-feira.

Os dados foram revelados na mesma semana em que o Fundo Monetário Internacional (FMI) projectou a Índia como a economia que mais cresce no mundo, expondo os contrastes daquele país do sul da Ásia.

O Índice Global da Fome de 2018 classificou a Índia na posição 103 entre os 119 países estudados, com os níveis de fome no país considerados “graves”. A Índia caiu três lugares no ranking do GHI em relação ao ano passado.

O relatório – produzido pela Concern Worldwide, pela Welthungerhlife e pelo Instituto Internacional de Investigação sobre Políticas Alimentares (IFPRI) – referiu que o país com a maior proporção de crianças com baixo peso (em relação à altura) é o Sudão do Sul, que está devastado pela guerra.

No início desta semana, o Fundo Monetário Internacional anunciou que a economia da Índia deve crescer 7,3 por cento no ano fiscal de 2018-2019 com a força dos investimentos e o consumo privado robusto.

De acordo com o GHI, a Índia mostrou melhoras na mortalidade infantil, que caiu de 9,2 por cento em 2000 para 4,3 por cento em 2018, enquanto o baixo peso infantil (em relação à idade) caiu de 54,2 por cento para 38,4 por cento.

No entanto, a proporção de crianças com baixo peso (em relação à altura) piorou de 17,1 por cento em 2000 para mais de 20 por cento em 2018. A prevalência de crianças com baixo peso (em relação à altura) no Sudão do Sul é de 28 por cento.

A perda de peso em crianças (em relação à altura) é alta em todo o sul da Ásia, constituindo uma “emergência crítica de saúde pública”, indicou o relatório, que chamou ainda a atenção para os resultados dos nascimentos e da amamentação.

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.