Repressão em Xinjiang visa garantir segurança e estabilidade na região, diz Pequim

O Governo Central respondeu assim às críticas formuladas pela Comissão Executiva para a China do Congresso norte-americano. Apesar de negarem a existência de campos de doutrinação, as autoridades chinesas sustentam que as medidas promovidas em Xinjiang visam garantir a estabilidade e a segurança do extremo noroeste do país.

A República Popular da China defendeu esta quinta-feira que as medidas repressivas contra a minoria étnica chinesa de origem muçulmana uigure visam “garantir a estabilidade e segurança” do extremo noroeste do país, negando a existência de campos de doutrinação política.

“Temos ouvido comentários de algumas entidades acerca disso, mas são apenas rumores e acusações infundadas”, afirmou em conferência de imprensa o porta-voz do Ministério Chinês dos Negócios Estrangeiros, Lu Kang.

O porta-voz reagiu assim a um relatório publicado na quarta-feira pela Comissão Executiva para a China do Congresso norte-americano, que denuncia o “internamento massivo e arbitrário de até um milhão ou mais de uigures” em campos onde são forçados a criticar o islão e a própria cultura, a aprender mandarim e a jurar lealdade ao Partido Comunista Chinês.

Lu Kang defendeu que todas as medidas adoptadas na região do Xinjiang, onde habitam os uigures, visam lutar contra o terrorismo e “garantir a estabilidade social e segurança” e contam com “total apoio” da população local: “Há entidades que querem interromper os esforços, mas é inútil”, disse.

A República Popular da China criou esta semana uma nova lei que permite o uso de centros para “educar e transformar pessoas influenciadas pelo extremismo” religioso. Pequim argumenta que os “centros de educação vocacional” são necessários para ajudar “os que foram enganados pelo extremismo religioso (…) através do reassentamento e educação”.

Organizações de defesa dos direitos humanos denunciaram nos últimos meses o internamento forçado de uigures, sem direito a julgamento, nem acesso a advogados e familiares.As detenções podem ocorrer sob acusações como aceder a portais estrangeiros ou contactar familiares além-fronteiras, de acordo com várias organizações não-governamentais.

Em 2009, a capital do Xinjiang, Urumqi, foi palco dos mais violentos conflitos étnicos registados nas últimas décadas na República Popular da China, entre os uigures e a maioria han, predominante em cargos de poder político e empresarial regional.

Desde então, as autoridades lançaram uma campanha repressiva, que foi reforçada a partir de 2016, quando o secretário do Partido Comunista Chinês (PCC), Chen Quanguo, foi transferido para a região, após vários anos no Tibete.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.